Divórcio, novo casamento e adultério

“Eu, porém, vos digo que qualquer que repudiar sua mulher, a não ser por causa de prostituição, faz que ela cometa adultério, e qualquer que casar com a repudiada comete adultério.”  (Mateus 5 : 32)

 

“Eu vos digo, porém, que qualquer que repudiar sua mulher, não sendo por causa de fornicação, e casar com outra, comete adultério; e o que casar com a repudiada também comete adultério.”  (Mateus 19 : 9)

 

“Eu, porém, vos digo, que qualquer que atentar numa mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela.”  (Mateus 5 : 28)

 

“Todavia, aos casados mando, não eu mas o Senhor, que a mulher não se aparte do marido.Se, porém, se apartar, que fique sem casar, ou que se reconcilie com o marido; e que o marido não deixe a mulher.”  (I Coríntios 7 : 10,11)

 

“Mas, se o descrente se apartar, aparte-se; porque neste caso o irmão, ou irmã, não esta sujeito à servidão; mas Deus chamou-nos para a paz.”  (I Coríntios 7 : 15)

 

Muito se menciona nas igrejas evangélicas em geral, na hora de falar sobre divórcio, as falas de Jesus sobre esse tema.Normalmente se interpreta que ou o casal  não deve se separar jamais ou só pode se separar em caso de traição.Algumas igrejas aceitam que a pessoa case novamente caso tenha sido traída no primeiro casamento, outras aceitam apenas um novo casamento em caso de viuvez.

 

Algumas igrejas, apesar de toda rigidez teológica teórica, provavelmente não se oporiam à uma pessoa se separar de um conjugue violento ou criminoso (a pessoa poderia, talvez, até se casar novamente).Isso é aceito (quando é) apenas pelo “bom senso” pois não há base bíblica explicita para esse tipo de exceção.

 

Qual o problema nisso?Não que esteja errado concordar com o divórcio e novo casamento de alguém que vivenciou uma situação assim.Não há base bíblica explicita para isso assim como não há base bíblica explicita para um monte de coisas o que não faz com que o ato seja “errado”.O problema é que as pessoas são flexíveis apenas em situações extremas.Ora, se por bom senso se aceita o divórcio em casos que não tem a ver com o adultério porque é que em outros casos não se aceita?Por que é que a pessoa tem que chegar a beira da morte ou de um dano grave para que se possa usar o bom senso?

 

Não estou sugerindo aqui que se use algo totalmente exterior a Bíblia para “regulamentar” casamento e divórcio.Creio que o tal bom senso pode ser visto na Bíblia também.Creio que Jesus, embora tenha dito poucas palavras sobre o assunto de tal forma que parece que só adultério(fornicação, relações sexuais ilícitas, seja qual for a tradução correta do termo) visse a coisa de forma mais flexível.

 

Ora, Jesus diz que quem se separa de alguém (no contexto, o homem se separa da mulher, pois as coisas não eram como hoje, o que é algo para se pensar também) que cometeu adultério ou outra relação sexual ilícita (vide todas os tipos de relações sexuais proibidas na lei de Moisés) poderia se divorciar e casar novamente sem estar cometendo adultério.Jesus também diz que quem cobiça o conjugue alheio comete adultério e não faz nenhuma separação (como nós convenientemente fazemos) entre o adultério “mental” e o adultério “físico”.

 

Não estaria a possibilidade de divórcio e novo casamento bem mais ampla do que costumamos interpretar?Afinal, todos ou quase todos já adulteraram segundo Jesus.Jesus disse essas coisas para que as pessoas se divorciassem a vontade?É claro que não!Vemos pelo ensino dEle que casamento é algo que deve ser levado a sério, não pode ser irresponsável nem uma brincadeira.Mas para os que usam seu ensino para prender as pessoas, há brechas também.

 

Muitos pensam que o traído pode se separar e casar de novo mas o traidor jamais poderia se casar novamente meio que como um castigo por sua traição.Não notam, porém, que se a traição liberta o traído, liberta também o traidor.O casamento acaba!Se não fosse assim, ao menos quando o traído casa novamente o ex traidor poderia também se casar, pois, de certa forma sua ex o “traiu” (se uniu a outra pessoa).

 

O mesmo se aplica ao conjugue crente que se converte e sua espiritualidade faz com que o conjugue descrente queira se separar.Essa é uma das exceções mais aceitas pelas igrejas.Mas mesmo para as que não aceitam, se o ex conjugue descrente se separa e arranja outra pessoa, então “cometeu adultério” e libertou o conjugue para se casar novamente.

Complexo, não?Mas é o raciocínio que creio que todo apegado à letra deveria fazer para não ser injusto com ninguém seja no ensino, seja no juízo.

Anjos fazem sexo?

os filhos de Deus viram que as filhas dos homens eram bonitas e escolheram para si aquelas que lhes agradaram.
Gênesis 6:2

Algumas das supostas certezas que as pessoas tem sobre os anjos não são bíblicas.

O verso acima mostra um interesse de anjos por mulheres, coisa que muitos diriam ser impossível, visto que supostamente anjos não tem sexo.

A Bíblia não diz que hajam anjos e “anjas”, porém não dá a certeza de que as últimas não existam.

O fato de nunca ser apresentada na Bíblia uma “anja” não prova que elas não existam, pois a Bíblia não nos apresenta tudo o que existe e em diversas passagens bíblicas mulheres e crianças são deixadas em segundo plano, de modo que não Deus pode simplesmente ter ocultado algumas coisas porque sabia que não entenderíamos ou valorizaríamos.

Continuando em Genesis, vemos que não somente os anjos acharam as mulheres bonitas, como também fizeram sexo com algumas, gerando filhos mutantes:

Naqueles dias havia nefilins na terra, e também posteriormente, quando os filhos de Deus possuíram as filhas dos homens e elas lhes deram filhos. Eles foram os heróis do passado, homens famosos.
Gênesis 6:4

Não sei se o verbo “possuir” pode ter outro sentido no original hebraico e os anjos possam ter engravidado as mulheres de outra forma (algo milagroso) mas seja como for, o fato dos filhos terem nascido com caracteristicas diferentes das outras crianças, demonstra que houve algo da essência dos anjos que se juntou ao DNA humano.Não foi só um homem possuído por um espírito engravidando uma mulher.

Há também um outro verso que fala sobre uma condenação dos anjos que pode ter ocorrido devido a terem relações sexuais com humanos, ao invés de seres da mesma natureza:

E aos anjos que não guardaram o seu principado, mas deixaram a sua própria habitação, reservou na escuridão e em prisões eternas até ao juízo daquele grande dia;

Assim como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que, havendo-se entregue à fornicação como aqueles, e ido após outra carne, foram postas por exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno.
Judas 1:6-7

Há quem tente negar que anjos tenham tido relações com mulheres, dizendo que “filhos de Deus” seriam filhos de Sete e “filhas do homem”, filhas de Caim, mas o termo “filhos de Deus” é o mesmo usado no livro de Jó, onde ninguém tem dúvidas de que sejam anjos:

E num dia em que os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o SENHOR, veio também Satanás entre eles.
Jó 1:6

Estudo feito com ajuda de Odenir Martins.

A Bíblia exige o casamento civil?

marriage license

A Bíblia respeita e recomenda o casamento, mas nunca diz que Deus somente o considera válido se for oficializado em algum cartório.

Assim, pessoas que praticam o sexo antes do casamento civil, não estão necessariamente cometendo fornicação e nem outro tipo de pecado.

A lei de Moisés, que continha instruções tanto espirituais e simbólicas quanto de higiene e organização social, não ordenava que se fizesse algum tipo de certidão para comprovar que duas pessoas se casaram, embora houvesse uma certidão de divórcio:

“QUANDO um homem tomar uma mulher e se casar com ela, então será que, se não achar graça em seus olhos, por nela encontrar coisa indecente, far-lhe-á uma carta de repúdio, e lha dará na sua mão, e a despedirá da sua casa.”  (Deuteronômio 24 : 1)

A certidão de divórcio servia para proteger a mulher, para que ela pudesse ter a chance de se casar novamente assim como a certidão de casamento atual brasileira só serve para proteger as partes em caso de divórcio ou desarmonia.

Há quem tente provar biblicamente que devemos nos casar no civil baseado em passagens como essa:

“TODA a alma esteja sujeita às potestades superiores; porque não há potestade que não venha de Deus; e as potestades que há foram ordenadas por Deus.”  (Romanos 13 : 1)

“Admoesta-os a que se sujeitem aos principados e potestades, que lhes obedeçam, e estejam preparados para toda a boa obra;”  (Tito 3 : 1)

No entanto, isso só provaria biblicamente a necessidade de casamento civil se o governo ordenasse que todas as pessoas unidas devem obrigatoriamente oficializar sua situação, o que não é o caso no Brasil, por exemplo.

Nem mesmo para proteger as partes no caso de separação o casamento civil é necessário mais, já que a justiça já reconhece as “uniões estáveis” que são “casamentos” na prática e podem ser comprovados por testemunhas, por exemplo.

Creative Commons License photo credit: billaday