É pecado receber transfusão de sangue?

Blood drainage

photo: gaelx

Abster-se de comida sacrificada aos ídolos, do sangue, da carne de animais estrangulados e da imoralidade sexual. Vocês farão bem em evitar essas coisas. Que tudo lhes vá bem. Atos 15:29

Um dos ensinos mais polêmicos das Testemunhas de Jeová é o que diz que seja pecado receber transfusão de sangue, pois seria um pecado.

Uma das base bíblicas deles é o verso acima, que é um dos únicos no Novo Testamento que menciona o sangue.

O argumento deles tem sentido, caso interpretemos só o texto desse verso, pois ele não diz que se deveria não comer sangue, mas se abster de sangue.Se tivesse sido escrito hoje, faria ainda mais sentido pensar que transfusões de sangue estariam incluídas nele.

Há ainda as leis do Antigo Testamento que proibiam a ingestão de sangue alegando que sangue é vida ou contém vida e por isso não poderia ser comido.

Mas não comam o sangue, porque o sangue é a vida, e vocês não poderão comer a vida com o sangue.
Deuteronômio 12:23

O que significaria não poder comer sangue por ser vida?Creio que ninguém pode definir isso com certeza, alguns simplesmente aceitam isso sem questionar e outros especulam.

Eu creio que um sentido possível é que o sangue retirado de um animal poderia conter impurezas, estando vida microscópica inclusa nisso, e que essa seria a vida contida no sangue que poderia fazer mal ao que comesse.

Tenhamos em mente que naquela época as pessoas não eram tão instruídas sobre como preparar alimentos quanto são hoje e por isso a lei tentava as proteger, ainda que para isso tivesse que dizer que algo era impuro, abominação ou algo similar.

Há também a possibilidade de que a proibição tivesse a ver com a simbologia do sangue, já que o sangue dos animais simbolizava o sangue de Cristo que tirou o pecado do mundo e proibir a ingestão, na época, poderia enfraquecer o símbolo ou algo assim.

No Novo Testamento a simbologia do sangue e da vida passa a ser usada de formas diferentes, Jesus fala de beber seu sangue como uma forma de receber vida dele.

Todo o que come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia.
João 6:54

Já a passagem em que se fala da abstenção de sangue é um verso provisório, dirigido para um grupo de cristãos a fim de não escandalizar os judeus que tinham isso como lei.Não serve nem para dizer que um cristão não possa comer sangue.

Pelo contrário, devemos escrever a eles, dizendo-lhes que se abstenham de comida contaminada pelos ídolos, da imoralidade sexual, da carne de animais estrangulados e do sangue.

Pois, desde os tempos antigos, Moisés é pregado em todas as cidades, sendo lido nas sinagogas todos os sábados”.
Atos 15:20-21

Veja que que o “pois” não justifica a abstenção  dizendo que seja errado ou pecado, mas porque Moisés era pregado nas sinagogas judaicas.O problema era o escândalo.

Quem se escandaliza hoje com transfusão de sangue?Que eu saiba só os testemunhas de Jeová e sem uma base bíblica válida.

A Bíblia nada diz sobre doação e transfusão de sangue, coisas que na época ainda pareciam impossíveis, mas apresenta versos que parecem simbolizá-las, sem no entanto, proibi-las.

Quando Jesus fala de beber seu sangue para ter vida eterna, isso se assemelha muito mais a uma transfusão de sangue do que a um beber literal de sangue.

Uma das formas de dar vida aos irmãos é doar sangue.

Nisto conhecemos o que é o amor: Jesus Cristo deu a sua vida por nós, e devemos dar a nossa vida por nossos irmãos.
1 João 3:16

O Céu não tem que ser chato

A muralha era feita de jaspe e a cidade de ouro puro, semelhante ao vidro puro.
Os fundamentos das muros da cidade eram ornamentados com toda sorte de pedras preciosas. O primeiro fundamento era ornamentado com jaspe; o segundo com safira; o terceiro com calcedônia; o quarto com esmeralda;

o quinto com sardônio; o sexto com sárdio; o sétimo com crisólito; o oitavo com berilo; o nono com topázio; o décimo com crisópraso; o décimo primeiro com jacinto; e o décimo segundo com ametista.

As doze portas eram doze pérolas, cada porta feita de uma única pérola. A rua principal da cidade era de ouro puro, como vidro transparente.

Apocalipse 21:18-21

E Deus viu tudo o que havia feito, e tudo havia ficado muito bom.
Gênesis 1:31

Eu nunca tive facilidade para aceitar que o Céu fosse como me diziam que era.

A primeira imagem do Céu que tive e que a maioria das pessoas conhece era a imagem de um lugar branco, cheio de nuvens, com músicas suaves (de preferência tocadas com instrumentos de corda) e sem muita coisa para fazer, senão orar, conversar e cantar.

A segunda imagem (que foi a que me passaram em igrejas evangélicas e que eu tive, também, sozinho ao ler Apocalipse literalmente) era de um lugar todo feito de pedras preciosas onde provavelmente eu teria de cantar o tempo todo e achar isso legal.

A primeira descrição do céu é a que permite que hajam tantas brincadeiras dizendo que o inferno será um lugar mais agradável para ficar, pois todos os prazeres (bons ou ruins) que seriam cortados no céu estariam a disposição no inferno.

Essas três imagens são falsas (estou incluindo a do inferno).São baseadas em interpretações equivocadas que levam a sério interpretações literais de certas passagens bíblicas simbólicas, moral e tradição.

Não é possível que, Deus tendo criado um mundo como o nosso, com todas as belezas que tem, animais e tudo o mais vá achar legal nos recompensar com um Céu inferior à Terra.

O Céu tem que ter no mínimo as cores que aqui temos, as belezas, as formas de vida e tudo o que é bom aos nossos sentidos e aos dEle também.

Deus não tem nenhum interesse especial em pedras preciosas.Ele apenas descreve a Nova Jerusalém mencionando pedras para demonstrar o valor imenso que ela terá.

Ele usou essa linguagem porque é a que muitos de nós entenderíamos devido à nossas limitações.

Deus não pensa como a gente, mas fala de acordo com o que podemos entender.

Se não for assim, então o Milênio acaba sendo mais interessante do que a vida eterna;é por isso que a maioria dos “testemunhas de Jeová” preferem ficar na Terra do que ir “governar no Céu”.

Ou como diria Caio Fábio de Araújo filho: ”o Céu dos crentes é um inferno”

 

Obs: Por incrível que pareça, a primeira imagem menos chata do Céu que tive foi numa revista da Escola Bíblica Dominical da Assembléia de Deus para “juvenis”.

E você?Como imagina o Céu?

 

photo by: visualpanic

O crente não aproveita a vida?

enjoylife.
Creative Commons License photo credit: quite charmed

“Quem achar a sua vida perdê-la-á; e quem perder a sua vida, por amor de mim, achá-la-á.” (Mateus 10 : 39)

Já ouvi alguns testemunhos de pessoas que dizem ter abandonado “coisas boas” por terem crido em Cristo e outras dizendo que se for para ser crente e não ser totalmente obediente, compensa deixar de crer, pois se está desperdiçando muitas coisas boas do mundo.

Mas são essas coisas boas mesmo?Quem as goza está aproveitando a vida?

Segundo o Evangelho, quem não crê em Cristo está morto e quem crê é que começa a viver (perceba que há duas vidas no primeiro verso desse post, uma é o que os homens chamam de vida e a outra é a vida verdadeira, segundo Deus).

“Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida.” (João 5 : 24)

“Nós sabemos que passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos. Quem não ama a seu irmão permanece na morte.” (I João 3 : 14)

De modo que se durante a caminhada com Cristo se tem de deixar algo para trás, esse algo não é importante à verdadeira Vida e portanto a perda não foi perda e sim ganho e vice versa.

“Mas o que para mim era ganho reputei-o perda por Cristo.” (Filipenses 3 : 7)

Acaba aqui então o discurso orgulhoso de alguns que se acham que porque deixaram de viver coisas “boas” nessa vida merecem mais o céu do que qualquer outro que gozou-as por mais tempo que ele.

Com isso não estou dizendo que tudo o que algumas pessoas deixam de lado ao se tornarem “evangélicas” seja verdadeiramente coisas ruins, pois muitas vezes o que faz com que elas abandonem certas coisas é a cultura “evangélica” e não o evangelho.

Nem tudo que a cultura evangélica manda deixar é o que o Evangelho manda deixar.

Mas que o evangelho requer que se abandone certas coisas, não há dúvida.

Uma dessas coisas é a glória humana, que por muitas vezes precisa ser deixada de lado caso se queira pregar e viver o Evangelho com sinceridade.

“… muitos dos principais creram nele; mas não o confessavam por causa dos fariseus, para não serem expulsos da sinagoga.Porque amavam mais a glória dos homens do que a glória de Deus.” (João 12 : 42,43)

Tanto a busca da glória humana quanto as outras coisas que precisem ser abandonadas não são coisas “boas” que perdemos e não devem ser lembradas como se fossem.