Fala Malafaia acaba sem apelação

“Mesmo atingindo altos índices de audiência nas tardes de domingo na Band, o programa Fala Malafaia pode deixar de ser exibido a partir de novembro.

O altíssimo custo para mantê-lo no ar poderia comprometer o orçamento da Associação Vitória em Cristo, que tem como prioridades a pregação do evangelho, através do programa Vitória em Cristo, no Brasil e no exterior, e as obras sociais que estão transformando vidas.

Fonte:http://www.verdadegospel.com/apesar-do-sucesso-fala-malafaia-podera-sair-do-ar/”

 

Eu nunca assisti a nenhum episódio do Fala Malafaia, mas li sobre ele e ouvi falar que era um programa estilo “Papo de Graça” do pastor Caio Fábio de Araújo Filho.

 

Pelo que me falavam, parecia ser mais interessante que o Vitória em Cristo, além de contrariar abertamente alguns usos e costumes da Assembléia de Deus e de outras igrejas.

 

Independentemente disso, o programa acabou, supostamente por falta de dinheiro e não se fez nenhum pedido doidão de dinheiro para que se pudesse mantê-lo no ar.

 

Eu imagino que, fazendo sucesso ou não, o Silas não teve interesse em mantê-lo no ar, pois parece ter desistido muito fácil.

 

No vídeo contido no link da notícia, Silas diz que o programa acabaria, a menos que houvesse um milagre.Caso contrário, ele continuaria só com os outros programas, pois teriam prioridade e ele não ia querer manter algo que não teria dinheiro para pagar.

 

Gostei da declaração dele pois é de um realismo raro entre tele-evangelistas.Normalmente se chora, se mente e se faz de tudo para conseguir dinheiro para uma “causa”(isso quando a causa realmente precisa e não é só um meio de pedir dinheiro para algo fora da causa).

 

Ele não diz que o programa não tenha valor mas também não insiste, já que o dinheiro não dá.

 

A mesma lógica todo pregador pode aplicar.Se o dinheiro não dá para manter um templo, um programa de rádio ou de TV, então desista.Nada justifica mentir, inventando bênçãos especiais que Deus daria para quem der um certo valor que não pode dar.

 

Não se justifica falar do dízimo como algo obrigatório na graça apenas porque se precisa do dinheiro para manter as obras.Se naturalmente e sem mentiras o dinheiro não vem, desistamos, oras!

Dinheiro pode ajudar na divulgação do Evangelho, mas é possível pregar o Evangelho mesmo sem dinheiro algum.O alcance é menor, mas é melhor alcançar poucos com honestidade do que muitos usando mentiras.

Usos, costumes e doutrinas de demônios

“…o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios;

Pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência;

Proibindo o casamento, e ordenando a abstinência dos alimentos que Deus criou para os fiéis, e para os que conhecem a verdade, a fim de usarem deles com ações de graças;”  (I Timóteo 4 : 1-3)

Eu acho interessante como Paulo chama de “doutrina de demônios” certos ensinos que em nossos dias muitos apenas consideram “doutrina de homens”.


Sim, pois se alguma igreja disser que é pecado comer determinado alimento apenas se dirá que a igreja está “exagerando” na sua fé, não que está sendo influenciada por demônios.

No entanto, Paulo dá a entender que o diabo não se interessa só em fazer grandes destruições mas também em ser um estraga-prazeres através de suas doutrinas.

Sim, pois, embora os versos acima falem mais especificamente sobre casamento e alimentos, não são só os alimentos que foram feitos para serem usados com ação de graças.

“Porque toda a criatura de Deus é boa, e não há nada que rejeitar, sendo recebido com ações de graças.”(I Timóteo 4:4)

Linda swimming
Creative Commons License photo credit: wili_hybrid

Tudo o que Deus criou é bom e também tudo o que é derivado da criação de Deus(como criações humanas que não façam mal por si só) podem ser usadas com ação de graças.

“Porque pela palavra de Deus e pela oração é santificada.” (I Timóteo 4:4)

Há muitos bons prazeres que temos o direito de desfrutar na terra e que o diabo tenta estragar usando supostos pastores para nos proibir.

Proibe-se Yoga,praia,uso de determinadas roupas, posições sexuais,boa música, filmes, TV e até brinquedos(Quando eu tinha 14 anos havia quem tenha me dito que geloucos eram do diabo).

No entanto nem todo costume estraga-prazer é doutrina de demônios, há também a abstinência voluntária de certas coisas para evitar escândalos aos fracos na fé.

“Por isso, se a comida escandalizar a meu irmão, nunca mais comerei carne, para que meu irmão não se escandalize.”  (I Coríntios 8 : 13)

Você costuma se abster de bons prazeres?Faz isso pelos fracos ou por outros motivos?

É pelo amor que somos reconhecidos como discípulos de Cristo

kurdistan
Creative Commons License photo credit: kurdistan كوردستان

“Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros.”  (João 13 : 35)

Quando se discute com algumas pessoas sobre usos e costumes algumas costumam apelar para o argumento de que se a pessoa não os cumprir não terá diferença visual dos não-crentes e por isso não será reconhecida como crente.

Para Jesus, porém, o que importava não era o que a pessoa parecia ser e sim o que ela era de verdade.

O que importa é o fruto e não as folhas.

“Nisto é glorificado meu Pai, que deis muito fruto; e assim sereis meus discípulos.”  (João 15 : 8 )

O que importa é o amor.

Ele é o fruto que deve haver em nós.

Não o amor conforme a visão mundana (natural) mas o amor conforme o Evangelho.

O amor segundo o Evangelho e suas subdivisões podem ser conhecidos em passagens como essa:

O amor é

sofredor,

benigno;

não é invejoso;

não trata com leviandade,

não se ensoberbece.

Não se porta com indecência,

não busca os seus interesses,

não se irrita,

não suspeita mal;

Não folga com a injustiça, mas

folga com a verdade;

Tudo sofre,

tudo crê,

tudo espera,

tudo suporta.  (I Coríntios 13 :4-8)

Entender isso nos faz ver que o amor é suficiente pois engloba tudo o que precisaria ser englobado.

Não há como alguém dizer, por exemplo, que crer no amor como forma de reconhecer um discípulo abriria brecha para alguém alegar que já tem amor e por isso pode agir de maneira indecente.

Quem tem o amor segundo o Evangelho já tem a consciência de que não se deve agir de forma indecente.

Quem tem o amor segundo o Evangelho não precisa de regras para tudo, pois “Contra estas coisas [as subdivisões do amor] não há lei.”  (Gálatas 5 : 23)