Saul: um exemplo de ungido corrompido

Olive Oil - Over the counter

photo: Flavio~

Então veio a palavra do Senhor a Samuel, dizendo:

Arrependo-me de haver posto a Saul como rei; porquanto deixou de me seguir, e não cumpriu as minhas palavras.

Então Samuel se contristou, e toda a noite clamou ao Senhor.

1 Samuel 15:10-11

 

Saul costuma ser visto como um exemplo de pessoa escolhida por Deus (ungida) que mesmo cometendo muitos erros continua sobre uma proteção especial de Deus de modo que não pode ser atacada, contrariada e nem repreendida.Essa é uma interpretação falsa, visto que o próprio Deus nunca disse que Saul seria alguém que não deveria ter oposição jamais, muito menos depois de sua desobediência, e Davi apenas creu que não poderia ferir ou matar a Saul (não fica claro se essa crença veio de Deus) mas não deixou de repreendê-lo e desobedecê-lo sem receber da parte de Deus repreensão por isso.

Aqueles que tentam se proteger atrás de Saul, grande parte das vezes são como ele em seus defeitos.Saul foi um exemplo de líder corrupto.Os erros de Saul não foram como os de Sansão que não trouxeram sobre ele nenhuma repreensão diretamente da parte de Deus mas foram erros muito piores, chegando ao ponto de Deus repreender-lhe verbalmente e abandoná-lo colocando outro em seu lugar.Davi teve muitos defeitos e recebeu repreensões, mas nunca chegou ao estado em que Saul chegou.

Por que, pois, não deste ouvidos à voz do Senhor, antes te lançaste ao despojo, e fizeste o que parecia mau aos olhos do Senhor?

1 Samuel 15:19

 

Saul, assim como alguns que se denominam ungidos hoje, era ganancioso, populista e mentiroso.Ao executar uma ordem de Deus não a cumpriu totalmente porque cobiçou (ou cedeu à cobiça dos soldados) não destruindo tudo o que devia ser destruído.Ao ser confrontado, afirmou que não obedeceu porque usaria o objeto de cobiça para a “glória de Deus”(para oferecer em sacrifício ).Mais tarde admitiu ter mentido e afirmou tê-lo feito por medo da reação dos soldados.

Saul também não queria o bem de Deus, o bem do povo, ele queria era continuar no poder custasse o que custasse.Tanto é que ele se opôs a Davi (outro “ungido”, embora mais sincero).Opôs-se à vontade de Deus e ao seu novo escolhido para tentar se manter no poder.

Saul não se empenhou na obediência a Deus mas se empenhou em fazer o mal movido por seu egoísmo enorme.Tentou destruir a obra de Deus para estabelecer a sua caricatura de Reino de Deus.Que nunca nos tornemos um Saul moderno.

É realmente necessário ungir os doentes para que sejam curados?

Anointing
photo credit: ninjaneil902

“Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e orem sobre ele, ungindo-o com azeite em nome do Senhor;”  (Tiago 5 : 14)


Estava meditando nesse versículo e tentando entender de onde esse costume saiu
já que não podia entender como um aparente rito como esse se encaixar na Graça, a partir daí resolvi fazer uma pesquisa e essas são as conclusões que cheguei:

Jesus curou de diversas maneiras a diversas pessoas, no entanto nunca se diz que ele tenha ungido alguém a fim de a curar.

Por outro lado, diz-se que os discípulos o aplicaram ao serem enviados para pregar e curar:

“E expulsavam muitos demônios, e ungiam muitos enfermos com óleo, e os curavam.”  (Marcos 6 : 13)


Olhando o contexto de Marcos 6 vemos Jesus enviando os discípulos para pregar e
curar, mas não fala de unção e nem permite que levem nada, somente um bordão (vara, cajado) e alparcas nos pés.

Se não puderam levar nada, é de se imaginar que não tinham óleo consigo também, de modo que a cura milagrosa não estava condicionada ao óleo.

Creio que o óleo que os discípulos usaram na oração e o óleo citado por Tiago, provavelmente era o mesmo que as pessoas usavam normalmente para se curar de algumas doenças ou feridas.

Sobre uso de óleos curativos nos diz o irmão Walter Andrade Campelo:

O óleo tem poderes curativos, permitindo amolecer feridas e purificá-las. O óleo quando misturado a certas ervas, pode proporcionar medicamentos poderosos para vários males. Não é de surpreender que os médicos em Israel tivessem desde tempos antigos conhecimento destas ervas e da forma de utilizá-las no processo curativo de doentes.

“Desde a planta do pé até a cabeça não há nele coisa sã, senão feridas, e inchaços, e chagas podres não espremidas, nem ligadas, nem amolecidas com óleo.” (Isaías 1:6 ACF)

“E, aproximando-se, atou-lhe as feridas, deitando-lhes azeite e vinho; e, pondo-o sobre a sua cavalgadura, levou-o para uma estalagem, e cuidou dele;” (Lucas 10:34 ACF)
http://www.luz.eti.br/es_uncaocomoleo-parte1.html

Em outras palavras Tiago podia estar querendo dizer: “está alguém entre
vós doente? Chamem os irmãos mais experientes, e orem sobre
ele, aplicando-lhe seu remédio em nome do Senhor”.
No entanto, devido ao fato de Jesus nunca ter ensinado isso, nem
exercido em suas curas (segundo os relatos que temos), creio que é algo
opcional, servindo apenas em casos específicos e nestes casos acho
importante contextualizar o óleo para o medicamente contemporâneo para
que a simbologia fique clara.
Leia mais sobre a unção de enfermos clicando aqui.