Perdão e convivência

E' guerra!!!!!!!!!!-Ovvero la vendetta di Geo-Cat attack

“E, quando estiverdes orando, perdoai, se tendes alguma coisa contra alguém, para que vosso Pai, que está nos céus, vos perdoe as vossas ofensas.”  (Marcos 11 : 25)

“Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus;”  (Mateus 5 : 44)
“Então pegaram em pedras para lhe atirarem; mas Jesus ocultou-se, e saiu do templo, passando pelo meio deles, e assim se retirou.”  (João 8 : 59)

“Tempo de espalhar pedras, e tempo de ajuntar pedras; tempo de abraçar, e tempo de afastar-se de abraçar;”  (Eclesiastes 3 : 5)

Jesus sempre ensinou que deveríamos perdoar e amar a todos, mesmo aqueles que nos fazem mal e não demonstram arrependimento.

Ele mesmo pediu ao pai que perdoasse aos que o crucificaram, mesmo eles não tendo se arrependido:

“E dizia Jesus: Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem.”  (Lucas 23 : 34)

Devemos sempre perdoar da forma como gostaríamos de ser perdoados, de modo que se quisermos ser perdoados mesmo não tendo ainda pedido perdão por algum pecado, devemos também fazer isso a quem peca contra nós e ainda não se arependeu.

Mas nem por causa disso Jesus incentivou que escolhêssemos conviver com gente que nos faz mal, ele mesmo sempre se retirava quando via que certas pessoas lhe ofereciam perigo.

Amar não significa necessariamente ser amigo, fazer refeições juntos ou coisas assim.

Jesus manda convidar os necessitados para refeições, mas nunca diz que se deve convidar os inimigos:

“E dizia também ao que o tinha convidado:

Quando deres um jantar, ou uma ceia, não chames os teus amigos, nem os teus irmãos, nem os teus parentes, nem vizinhos ricos, para que não suceda que também eles te tornem a convidar, e te seja isso recompensado.

Mas, quando fizeres convite, chama os pobres, aleijados, mancos e cegos, e serás bem-aventurado; porque eles não têm com que to recompensar; mas recompensado te será na ressurreição dos justos.” (Lucas 14:12-14)

Por outro lado, o amor ao inimigo pode incluir dar a ele o que comer e beber:

“Portanto, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas de fogo sobre a sua cabeça.”  (Romanos 12 : 20)

Entrei nesse assunto por causa de algumas pessoas que acham que Deus quer que as pessoas jamais se separem, mas perdoem seus conjugues e continuem juntos.

Sem dúvida, o cristão deve sempre perdoar seu conjugue, mas isso não quer dizer que eles devam continuar casados.

Quando Jesus disse que a pessoa que se separasse e casasse de novo, por causa de fornicação, não estaria cometendo adultério ele não estava dizendo que nesse caso a pessoa tem direito de não perdoar e sim que tem o direito de não ficar mais junto da pessoa, ainda que a tendo perdoado.

Perdoar não é se tornar ingênuo, fazer de conta que não aconteceu nada.Perdoar é abrir mão de cobrar uma dívida real porque sabe que foi perdoado de dívidas que jamais conseguiria pagar.

“Eis que vos envio como ovelhas ao meio de lobos; portanto, sede prudentes como as serpentes e inofensivos como as pombas.”  (Mateus 10 : 16)

Creative Commons License photo credit: silgeo

Qual foi o pecado de Onã?


Ele

Há diversas interpretações erradas acerca do pecado de Onã, a mais popular dela talvez seja a de que o pecado de Onã tenha sido a masturbação, daí terem criado a palavra onanismo para se referir à ela (embora uma leitura superficial da passagem já dê a entender que o que Genesis narra que ele fazia era coito interrompido, não masturbação ).
Há também quem pareça pensar que o esperma é sagrado e por isso Deus ficaria incomodado quando ele toca a terra ou outro lugar “profano”, como se pode observar num dos comentários feitos no meu texto sobre sodomia:

“…Deus matou Omã,por se recusar a cumprir o ato sexual na sua plenitude(derramava o semem na terra)Gênesis38:9.O que ELE pensaria se em vez da terra fosse «derramado» no orgão excretor,o anûs?”

Outros podem achar que o pecado seria o desperdício de esperma, mas, se Deus realmente ficasse incomodado com isso, imagino que ele faria com que a mulher fosse sempre fértil(para que jamais houvesse desperdício algum) e não existiria nem mesmo a polução noturna.

Olhando o contexto vemos que o pecado de Onã foi não querer dar descendência ao seu irmão, deixando assim de cumprir as leis da época (de que sempre que um homem morresse sem ter filhos seu irmão lhe desse descendentes).

Então disse Judá a Onã:

Toma a mulher do teu irmão, e casa-te com ela, e suscita descendência a teu irmão.

Onã, porém, soube que esta descendência não havia de ser para ele; e aconteceu que, quando possuía a mulher de seu irmão, derramava o sêmen na terra, para não dar descendência a seu irmão.

E o que fazia era mau aos olhos do SENHOR, pelo que também o matou.

(Genesis 38:8-10)

O pecado de Onã foi o egoísmo de não querer gerar um filho que não fosse carregar seu próprio nome, mas sim o do irmão; o esperma no chão é só um detalhe.

Qual a sua interpretação?Deixe ela nos comentários e ajude a divulgar o post, se acha que ele é importante.
Obs: Não é minha intenção nesse post discutir sobre a relevância de tais leis antigas e nem sobre a forma como Deus castigou Onã (embora eu não veja problema em discutir tais coisas também), apenas quis chamar a atenção para as interpretações bizarras que surgem quando a pessoa lê apenas versos isolados juntamente com interpretações de tolos.

Creative Commons License photo credit: Evil Preacher

Eva gerou filhos antes da queda?

It's her fault!
Creative Commons License photo credit: Eusebius@Commons

“E à mulher disse:

Multiplicarei grandemente a tua dor, e a tua conceição; com dor darás à luz filhos; e o teu desejo será para o teu marido, e ele te dominará.”  (Gênesis 3 : 16)

Já faz algum tempo que ouvi pela primeira vez essa teoria de que Eva teria tido filhos no Éden antes de comer do fruto proibido, num tópico da comunidade da Assembléia de Deus no Brasil e já havia dado minha opinião por lá.

Daí ontém minha amiga Myllena Carneiro quis falar desse assunto comigo por MSN, o que acabou me fazendo pensar nele de novo e querer registrar o que penso sobre isso por aqui.

A base da teoria é o verbo “multiplicar” presente no verso acima e que, segundo eles, deixa subentendido que Eva já teria tido pelo menos um filho e sentido alguma dor, pois não haveria como multiplicar uma dor que ela nunca tivesse sentido antes.

O problema é que o relato não cita filho nenhum sendo citado no momento que Deus os amaldiçoa.

Se já houvessem filhos e eles não foram incluídos na maldição provavelmente o motivo era que eles não tivessem comido da árvore, o que faria com que os pais fossem expulsos e os filhos continuassem no Éden.

Poderia ter havido uma linhagem com pecado e outra sem?

Creio que não, pois contrariaria versos como esse:

“Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;”  (Romanos 3 : 23)

Eu poderia crer então que esse filhos que continuaram no Eden mais tarde também comeram do fruto e foram expulsos não fosse por esse outro verso:

“Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram.”  (Romanos 5 : 12)

Logo, eu suponho que Adão tenha sido o primeiro a pecar e só depois disso gerou filhos, gerando-os já em pecado.

“Eis que em iniqüidade fui formado, e em pecado me concebeu minha mãe.”  (Salmos 51 : 5)

Mas e o verbo multiplicar? Como fica?

Acredito que o uso do verbo “multiplicar” do verso inicial tenha a mesma explicação que o verso abaixo:milagre.

“Dá força ao cansado, e multiplica as forças ao que não tem nenhum vigor.”  (Isaías 40 : 29)

E você?O que acha?