Feliz natal – Reflexões sobre o filme e a guerra

merry-christmas-joyeux-noel-poster[1]

agora em Cristo Jesus, vós, que antes estáveis longe, já pelo sangue de Cristo chegastes perto.Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos os povos fez um; e, derrubando a parede de separação que estava no meio, na sua carne desfez a inimizade […] para criar em si mesmo dos dois um novo homem, fazendo a paz, e pela cruz reconciliar ambos com Deus em um corpo, matando com ela as inimizades.E, vindo, ele evangelizou a paz, a vós que estáveis longe, e aos que estavam perto;Porque por ele ambos temos acesso ao Pai em um mesmo Espírito.Assim que já não sois estrangeiros, nem forasteiros, mas concidadãos dos santos, e da família de Deus;

 

Efésios 2:13-19

 

Sinopse:No Natal de 1914, durante a 1ª Guerra Mundial, soldados franceses, escoceses e alemães abandonam seus rifles nas trincheiras e saem na neve, à noite, para comemorem juntos o Natal. É o suficiente para mudar a vida de um padre anglicano, um tenente francês, um tenor alemão e sua companheira, uma soprano.

 

Considero o filme Feliz Natal(Joyeux Noël) o melhor filme de guerra que já assisti.

 

O filme todo mostra a guerra como algo terrível, como sendo uma obrigação terrível para os que participaram dela.Nenhum personagem carismático a vê com bons olhos e nem com empolgação.

 

Além da crítica, o milagre da trégua é algo lindo de se ver.No meio de uma guerra desumana ressurge a humanidade de tantos homens.

 

O natal é o que causa essa trégua e une essas diferentes tropas de diferentes nações, o que me fez lembrar da passagem bíblica que cito no inicio desse texto.Mais tarde o padre que apoiou a trégua diz que tentou seguir a Jesus da melhor forma possível, ao apoiar essa união de povos.Sua interpretação dos fatos é diferente da do outro religioso que tenta usar uma outra passagem bíblica de forma distorcida para incentivar uma outra tropa a destruir seus inimigos:

 

Não cuideis que vim trazer a paz à terra; não vim trazer paz, mas espada;

Mateus 10:34

 

O falso profeta afirma que a espada do Senhor estava com os soldados e que eles deveriam destruir o exército do outro povo, pois esses não eram “filhos de Deus” como eles seriam.Usa como argumento que o outro exercito faz coisas terríveis que eles mesmos não fazem.A solução?Fazer as mesmas coisas com eles agora, para que não se levantem mais.

 

Diante disso, o padre que apoiou a trégua deixa seu crucifixo pendurado num lugar e vai embora, simbolizando talvez um abandono de Fé por achar que Jesus pudesse mesmo ter algo a ver com aquela loucura;ou talvez o padre apenas tenha abandonado aquela forma tradicional de crer e tenha decidido andar de forma independente, de acordo com sua consciência.

 

Isso representa bem muito da nossa realidade atual, onde muitos homens distorcem a Bíblia a fim de conseguir lucro ou incutir falsas ideologias na mente das pessoas.Muitos se afastam das igrejas por não conseguirem diferenciar o que Deus realmente diz e o que é distorcido.Outros abandonam o convívio com grupos por entenderem de forma muito diferente dos demais e aí vão viver a sua espiritualidade de forma independente e informal.

 

Num certo momento, um pai conversa sobre o filho sobre a guerra.O pai, que acha a guerra importante e detestou saber da trégua, acha terrível que tenha chegado um tempo em que uma pá tenha valido mais que uma arma (talvez se referindo ao prolongamento da trégua a fim de que as tropas de ambos os lados pudessem enterrar seus mortos).Esse tipo de gente não conseguiria se contentar com o Paraíso:

 

Ele julgará entre muitos povos e resolverá contendas entre nações poderosas e distantes. Das suas espadas, farão arados, e das suas lanças, foices. Nenhuma nação erguerá a espada contra outra, e não aprenderão mais a guerra.

Todo homem poderá sentar-se debaixo da sua videira e debaixo da sua figueira, e ninguém os incomodará, pois assim falou o Senhor dos Exércitos.

 

Miquéias 4:3-4

Silas Malafaia e Marco Feliciano contra os blogs cristãos

Visitas. Visitantes

Silas Malafaia e Marco Feliciano recentemente atacaram blogs cristãos que os tem contrariado, conforme noticiado nos links abaixo:

Silas Malafaia critica Gospel+ e blogs evangélicos: “mediocres, caluniadores, invejosos, bandidos!”

Não conheço muito bem o Marco Feliciano, mas acompanhei algum tempo ao Silas Malafaia para saber que antes ele costumava dizer que não respondia a críticos.

Agora ambos estão respondendo.Por que será?

Não creio que ambos não falassem de seus críticos da internet antes porque tivessem plena convicção do que diziam, mas apenas porque realmente achavam que responder a tais críticos (que grande parte das vezes postavam críticas justas) acabaria chamando a atenção dos seus admiradores para os críticos e isso poderia piorar as coisas, já que as críticas da blogosfera por si só não chamavam tanto a atenção quanto hoje.

Creio que hoje eles resolveram atacar os blogs(assim como antes Silas atacou Caio, assim que os vídeos do Caio conta tudo causaram toda aquela repercussão) porque sentiram que estão perdendo poder e, no desespero, fizeram o que puderam para ver se afastavam seus fãs da internet.

Mas agora é tarde, a revolução dos blogs também chegou ao cristianismo e vai revolucionar tudo.

Não estou dizendo que a blogosfera vá purificar o cristianismo (não creio que isso seja possível) mas com certeza a blogosfera cristã causará um revolução, retirando muito do poder dos telepregadores assim como os blogs seculares tomaram parte do poder dos jornais e revistas.

A palavra final sobre este ou aquele assunto bíblico não será mais de um daqueles pregadores da TV aberta, as pessoas poderão sempre ver as coisas sobre outro ângulo através dos blogs.

Para quem queria uma nova reforma, aí está ela: há teses de novos Luteros pregadas por todos os lados e os papas “evangélicos” estão raivosos.

Você ainda quer participar?

Então escreva as suas ou ajude a divulgar as que já estão escritas.

É errado criticar pastores?

“O SENHOR me guarde, de que eu estenda a mão contra o ungido do SENHOR; agora, porém, toma a lança que está à sua cabeceira e a bilha de água, e vamo-nos.”  (I Samuel 26 : 11)


Sexta feira fui com um amigo fazer uma visita a um irmão e na nossa conversa, ao comentarmos sobre alguns erros que alguns pastores praticam, ele disse que não ia tocar nesse assunto porque “não podia tocar o ungido”.

É impressionante como algumas pessoas são manipuladas por lideres que usam a velha artimanha de dizer que Davi não tocou Saul e então o crente não pode nem mesmo criticar pastor algum, pois esse pastor supostamente é “ungido”, sem nem entender que “tocar” não tem nada  a ver com denunciar ou criticar.

Tocar Saul, para Davi, era algo físico como matar ou pelo menos agredir.

Davi não “tocou” Saul, mas mesmo assim agiu pelas suas costas, desobedeceu-o, formou um grupo próprio e denunciou a injustiça de Saul na frente do seu exercito.

Davi não usou de violência contra Saul, mas nem por isso aceitou tudo o que Saul lhe queria fazer de mal e nem guardou para si a injustiça para manter a imagem de Saul intacta.

De modo que denunciar, repreender ou trabalhar contra um pastor ruim não é errado, antes é um dever, quando esse pastor pratica o mal contra as ovelhas que estão sobre suas mãos.                        

Paulo repreendeu a Pedro na presença de todos num momento em que ele agiu de maneira errada e ainda publicou isso numa de suas cartas:

“Mas, quando vi que não andavam bem e direitamente conforme a verdade do evangelho, disse a Pedro na presença de todos: Se tu, sendo judeu, vives como os gentios, e não como judeu, por que obrigas os gentios a viverem como judeus?”  (Gálatas 2 : 14)


Que deixemos de ser omissos e denunciemos aquilo que for preciso denunciar, sem medo de tais maldições.