Como identificar um idólatra?

Obeisance

 

disse Naamã: […] nunca mais oferecerá este teu servo holocausto nem sacrifício a outros deuses, senão ao Senhor.

 

Nisto perdoe o SENHOR a teu servo; quando meu senhor entrar na casa de Rimom para ali adorar, e ele se encostar na minha mão, e eu também tenha de me encurvar na casa de Rimom; quando assim me encurvar na casa de Rimom, nisto perdoe o SENHOR a teu servo.

 

E ele lhe disse: Vai em paz.

 

2 Reis 5:17-19

 

É comum que algumas pessoas classifiquem outras como idólatras, como se houvesse uma forma precisa de se classificar alguém assim mesmo que ela mesma não admita e até negue.É como se houvesse uma maneira de descobrir isso só olhando superficialmente ou descobrindo certas crenças ou rituais que a pessoa pratica.

 

A intenção desse texto não é dar uma receita de como identificar um idolatra, mas apenas mostrar quão falha é a tentativa de julgar esse tipo de coisa.

 

A idolatria, assim como a adoração, são coisas que acontecem no coração das pessoas e não há como ser constatada através da observação apenas.Um idólatra real pode se comportar da mesma forma que um adorador real.

 

Um exemplo de como uma prática não prova que alguém é idólatra é o trecho da história de Naamã que foi citado no início desse texto.

 

Você já imaginou um homem que se curva diante de um ídolo e não o está idolatrando?Consegue imaginar algo assim?Se não consegue, então talvez você não entenda o que o próprio Deus e Eliseu entenderam.

 

Dali em diante, depois que Naamã voltou à sua terra, ele e o rei se encurvavam num templo pagão, o rei por idolatria (provavelmente) e Naamã apenas por não querer desagradar o rei.Naamã curvava o corpo diante do ídolo mas não o espírito, pois este já estava curvado diante do Deus verdadeiro.

 

Por outro lado, alguém pode jamais se curvar diante de um ídolo e ainda assim ser idólatra diante de Deus ao amar algo ou alguém acima de Deus, como, por exemplo, o dinheiro.

 

Mortificai, pois, os vossos membros, que estão sobre a terra:

a fornicação, a impureza, a afeição desordenada, a vil concupiscência, e

 

a avareza, que é idolatria; Colossenses 3:5

Qual é o mundo que não devemos amar?

Lust II

“Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele.”  (I João 2 : 15)

João nesse verso não está falando que não se deve frequentar lugares não consagrados, estar com pessoas de fora da igreja ou apreciar criações humanas que não tragam o nome de Deus estampado.

O mundo do qual ele fala pode ou não existir dentro dessas coisas, pois é um espírito, um conjunto de atitudes que contraria o evangelho e que habita o coração humano.

O mundo que não se deve amar é o pensamento humano corrompido.

A descrição que ele faz desse mundo que não se deve amar, demonstra isso:

“Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo.”  (I João 2 : 16)

Perceba que para dizer o que há no mundo ele não cita objetos, pessoas ou lugares e sim desejos excessivos (concupiscências), tanto da carne quanto dos olhos, além da soberba (orgulho).

Logo estar num lugar, ouvir uma música ou ter amigos não evangélicos não significa necessariamente amar o mundo, mas se além dessas coisas se amar a esses sentimentos ruins, aí se estará amando ao mundo.

Para saber quais os desejos que são ruins e fazem parte do mundo, deve-se usar o critério que aparece na descrição de João: o que há nesse mundo não provém do Pai.

Ora, para sabermos o que não provém do Pai, basta que conheçamos o que provém dele e para isso temos a Palavra.

“Toda a boa dádiva e todo o dom perfeito vem do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação.”  (Tiago 1 : 17)

Todo sentimento que contraria o ensino do Evangelho é mundano e não deve ser amado, ainda que por fraqueza venha a ser praticado.

“Acho então esta lei em mim, que, quando quero fazer o bem, o mal está comigo.”  (Romanos 7 : 21)

O mundo(descrito no verso acima como mal) existe em qualquer coração, o cristão em transformação, porém, não deve amá-lo.

O segredo para quem quer deixar de amar o mundo é buscar o Reino de Deus e automaticamente isso gerará em nós o desamor ao anti-Reino que já está em nós:o mundo.

“Não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal.”  (João 17 : 15)

Para uma visão mais aprofundada sobre o tema, leia:UM MUNDO PARA AMAR: e um para não amar do pastor Caio Fábio.