Como se rouba a Deus?

Caught in the Act

Caught in the Act por *saxon*, no Flickr

“Roubará o homem a Deus? Todavia vós me roubais, e dizeis: Em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas.”  (Malaquias 3 : 8 )

Costuma-se interpretar o verso acima como se o fato de não se dar o dízimo seja roubar a Deus, pois, teoricamente, 10% de nossas posses pertencem a Deus e deve ser, obrigatoriamente, devolvida.

Mas a Bíblia diz que tudo é de Deus e não só 10%.

“Porque a terra é do Senhor e toda a sua plenitude.”  (I Coríntios 10 : 26)

Logo roubar a Deus não tem a ver com não devolver uma parte de nossos bens, pois tudo o que temos(mesmo que não devolvamos nada) já pertence a Ele.

Na verdade o roubar a Deus tem a ver com o roubar ao próximo.

No contexto de Malaquias os roubados eram os levitas, as viúvas e os órfãos que legalmente  tinham o direito de comer dos dízimos e que, não sendo o dízimo dado, ficavam sem ter o que comer:

“Quando acabares de separar todos os dízimos da tua colheita no ano terceiro, que é o ano dos dízimos, então os darás ao levita, ao estrangeiro, ao órfão e à viúva, para que comam dentro das tuas portas, e se fartem;”  (Deuteronômio 26 : 12)

Deus apenas toma as dores deles e diz que quem os rouba, está roubando a Ele.

Perceba que Deus não apenas cobra os dízimos e ofertas, como também diz para que eles seriam utilizados:

“Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim nisto, diz o SENHOR dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal até que não haja lugar suficiente para a recolherdes.”  (Malaquias 3 : 10)

Nos dias de hoje não temos mais levitas e nem uma lei que nos obrigue a dar o dízimo para os pobres, por isso creio que o termo “roubar” não se aplique mais àquele que não dá o dízimo.

No entanto aquele que deixa de pagar um devedor seu para dar o dízimo pode ser chamado assim, pois está tomando posse do que não lhe pertence para supostamente doar a Alguém que já é dono de tudo e por isso não precisa.

A ninguém devais coisa alguma, a não ser o amor com que vos ameis uns aos outros; porque quem ama aos outros cumpriu a lei.”  (Romanos 13 : 8 )

Passado o medo de ser chamado de ladrão, fica-se livre para doar movido pelo amor, sem quantias predefinidas e somente do que se tem.

Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria.”  (II Coríntios 9 : 7)

“Porque, se há prontidão de vontade, será aceita segundo o que qualquer tem, e não segundo o que não tem.”  (II Coríntios 8 : 12)

Qual é o mundo que não devemos amar?

Lust II

“Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele.”  (I João 2 : 15)

João nesse verso não está falando que não se deve frequentar lugares não consagrados, estar com pessoas de fora da igreja ou apreciar criações humanas que não tragam o nome de Deus estampado.

O mundo do qual ele fala pode ou não existir dentro dessas coisas, pois é um espírito, um conjunto de atitudes que contraria o evangelho e que habita o coração humano.

O mundo que não se deve amar é o pensamento humano corrompido.

A descrição que ele faz desse mundo que não se deve amar, demonstra isso:

“Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo.”  (I João 2 : 16)

Perceba que para dizer o que há no mundo ele não cita objetos, pessoas ou lugares e sim desejos excessivos (concupiscências), tanto da carne quanto dos olhos, além da soberba (orgulho).

Logo estar num lugar, ouvir uma música ou ter amigos não evangélicos não significa necessariamente amar o mundo, mas se além dessas coisas se amar a esses sentimentos ruins, aí se estará amando ao mundo.

Para saber quais os desejos que são ruins e fazem parte do mundo, deve-se usar o critério que aparece na descrição de João: o que há nesse mundo não provém do Pai.

Ora, para sabermos o que não provém do Pai, basta que conheçamos o que provém dele e para isso temos a Palavra.

“Toda a boa dádiva e todo o dom perfeito vem do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação.”  (Tiago 1 : 17)

Todo sentimento que contraria o ensino do Evangelho é mundano e não deve ser amado, ainda que por fraqueza venha a ser praticado.

“Acho então esta lei em mim, que, quando quero fazer o bem, o mal está comigo.”  (Romanos 7 : 21)

O mundo(descrito no verso acima como mal) existe em qualquer coração, o cristão em transformação, porém, não deve amá-lo.

O segredo para quem quer deixar de amar o mundo é buscar o Reino de Deus e automaticamente isso gerará em nós o desamor ao anti-Reino que já está em nós:o mundo.

“Não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal.”  (João 17 : 15)

Para uma visão mais aprofundada sobre o tema, leia:UM MUNDO PARA AMAR: e um para não amar do pastor Caio Fábio.

Jesus cumpriu a Lei por nós

Musee M. Chagall_4095

“Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas: não vim ab-rogar, mas cumprir.”  (Mateus 5 : 17)

Algumas pessoas tem entendido o verso acima como prova de que a Lei ainda deve ser cumprida para Salvação, mas ele apenas afirma que Ele veio para cumprir.

Jesus cumpriu a Lei de duas formas: obedecendo-a para si mesmo e para nós.

Havia duas formas da Lei se cumprir em nós:  obedecermos ou morrermos.

“… o salário do pecado é a morte…”  (Romanos 6 : 23a)

Cristo aceitou morrer em nosso lugar sem merecer (pois quem é capaz de cumprir a lei não tem de morrer) deixando-nos quites com a Lei e permitindo que fôssemos salvos, mesmo sem a cumprirmos.

Isso não nos libera de fazer boas obras, apenas nos permite fazer o bem sem depender dele para salvação.

Dependemos apenas daquele que a cumpriu a Lei em nosso lugar e de forma grata tentamos agradá-lo, vivendo em amor. 🙂

“Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas.”  (Efésios 2 : 10)

“Não aniquilo a graça de Deus; porque, se a justiça provém da lei, segue-se que Cristo morreu debalde.”  (Gálatas 2 : 21)