Eva gerou filhos antes da queda?

It's her fault!
Creative Commons License photo credit: Eusebius@Commons

“E à mulher disse:

Multiplicarei grandemente a tua dor, e a tua conceição; com dor darás à luz filhos; e o teu desejo será para o teu marido, e ele te dominará.”  (Gênesis 3 : 16)

Já faz algum tempo que ouvi pela primeira vez essa teoria de que Eva teria tido filhos no Éden antes de comer do fruto proibido, num tópico da comunidade da Assembléia de Deus no Brasil e já havia dado minha opinião por lá.

Daí ontém minha amiga Myllena Carneiro quis falar desse assunto comigo por MSN, o que acabou me fazendo pensar nele de novo e querer registrar o que penso sobre isso por aqui.

A base da teoria é o verbo “multiplicar” presente no verso acima e que, segundo eles, deixa subentendido que Eva já teria tido pelo menos um filho e sentido alguma dor, pois não haveria como multiplicar uma dor que ela nunca tivesse sentido antes.

O problema é que o relato não cita filho nenhum sendo citado no momento que Deus os amaldiçoa.

Se já houvessem filhos e eles não foram incluídos na maldição provavelmente o motivo era que eles não tivessem comido da árvore, o que faria com que os pais fossem expulsos e os filhos continuassem no Éden.

Poderia ter havido uma linhagem com pecado e outra sem?

Creio que não, pois contrariaria versos como esse:

“Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;”  (Romanos 3 : 23)

Eu poderia crer então que esse filhos que continuaram no Eden mais tarde também comeram do fruto e foram expulsos não fosse por esse outro verso:

“Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram.”  (Romanos 5 : 12)

Logo, eu suponho que Adão tenha sido o primeiro a pecar e só depois disso gerou filhos, gerando-os já em pecado.

“Eis que em iniqüidade fui formado, e em pecado me concebeu minha mãe.”  (Salmos 51 : 5)

Mas e o verbo multiplicar? Como fica?

Acredito que o uso do verbo “multiplicar” do verso inicial tenha a mesma explicação que o verso abaixo:milagre.

“Dá força ao cansado, e multiplica as forças ao que não tem nenhum vigor.”  (Isaías 40 : 29)

E você?O que acha?

Deus e as injeções da vida

My Migraine says Hello and I'm Trying to Say Good Bye
Creative Commons License photo credit: BlueGoaॐ☮

“Eu formo a luz, e crio as trevas; eu faço a paz, e crio o mal; eu, o SENHOR, faço todas estas coisas.” (Isaías 45 : 7)

“E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.” (Romanos 8 : 28)

“E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz a paciência,” (Romanos 5 : 3)

Estava conversando outro dia com um amigo acerca das tribulações que Deus nos permite (ou nos faz) passarmos para nosso bem.

Meu amigo insistia que Deus apenas permite, ele mesmo não provoca a tribulação.

Eu disse a ele que para mim não fazia diferença; se algo é doloroso mas Deus sabe que precisamos, então tanto faz se ele mesmo fez ou se ele só permitiu que acontecesse.

Além do mais, sendo Deus Todo Poderoso porque é que achamos que fica mais bonito Ele permitir do que fazer?

Acaso um ser humano pode evitar algo doloroso a um filho e não o faz não é considerado cruel ou mau pai?

Porque é então que alguns ficam nessa defesa de Deus (que tudo poderia evitar se quisesse) dizendo que Ele é “bonzinho” pois não faz mas somente permite que outros façam?

Deus não é “bonzinho” Ele é bom e sua bondade não o obriga a evitar dores necessárias.

Para mim o cuidado de Deus se assemelha a meu pai ou minha mãe quando me levavam para tomar injeção enquanto eu implorava que me protegessem pois eu tinha medo e sabia que doeria(talvez, devido ao meu medo acabasse doendo mais ainda).

Não importava quem dava e quem “permitia” que fosse dado, todos para mim eram ruins pois me faziam passar por aquilo.

Hoje eu entendo que todas aquelas injeções dolorosas cooperavam para meu bem.

Da mesma forma Deus faz/permite que passemos por situações difíceis a fim de que cresçamos e nos mantenhamos saudáveis.

E você o que acha?Deus permite ou faz?

Pergunta extra:você tem medo de injeção? 😛

A parábola do trabalhador doente

 

“Mas, àquele que não pratica, mas crê naquele que justifica o ímpio, a sua fé lhe é imputada como justiça.”  (Romanos 4 : 5)

Estava conversando ontem com alguns amigos sobre a Graça e me veio à mente uma parábola que talvez a explique bem:

A salvação pela Graça é semelhante a um empresário que, encontrando um homem desempregado que por ser doente era incapaz de executar bem qualquer tarefa, o contrata, paga o salário que um trabalhador saudável, eficiente e eficaz receberia e providencia tudo o que é preciso para que esse homem possa ir se curando, demore o quanto demorar.

Sabemos que normalmente um empresário não iria querer um prejuízo desses, assim como muitos crentes não aceitam que Deus possa agir assim, mas é assim que é.

Todos temos a doença do pecado e não poderemos jamais sermos justos por nossa própria capacidade, de modo que Deus nos aceita como somos e vai nos ajudando a melhorar dia a dia.

Se alguém ainda não tiver entendido o que seja a Graça, talvez esse vídeo esclareça: