Por que nos vestimos?

photo: bengal*foam

“E ambos estavam nus, o homem e a sua mulher; e não se envergonhavam.”  (Gênesis 2 : 25)

“Então foram abertos os olhos de ambos, e conheceram que estavam nus; e coseram folhas de figueira, e fizeram para si aventais.”  (Gênesis 3 : 7)

“E ele disse: Ouvi a tua voz soar no jardim, e temi, porque estava nu, e escondi-me.

E Deus disse: Quem te mostrou que estavas nu? Comeste tu da árvore de que te ordenei que não comesses?”  (Gênesis 3 : 10,11)

“E fez o SENHOR Deus a Adão e à sua mulher túnicas de peles, e os vestiu.”  (Gênesis 3 : 21)

Muitas pessoas afirmam que o fato de Deus ter feito roupas para Adão e Eva seja uma prova bíblica de que as pessoas devam se vestir e que não se vestir seria um pecado, mas esse assunto não é tão simples.

Em primeiro lugar, devemos lembrar que Deus criou Adão e Eva nus e nunca disse que deveriam se vestir antes que pecassem.Não há referência bíblica que diga que a nudez em si seja pecado.

É um erro achar também que a nudez não fosse pecado porque o homem e a mulher ainda fossem “inocentes como crianças”(hoje em dia sabemos que crianças não são tão inocentes assim) e não viam maldade na nudez por não conhecerem o sexo.

Antes do pecado, Deus manda que eles se reproduzam e não seria por clonagem…

“E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra, e sujeitai-a; e dominai sobre os peixes do mar e sobre as aves dos céus, e sobre todo o animal que se move sobre a terra.”  (Gênesis 1 : 28)

Logo, Adão e Eva conheciam o sexo, mas não conheciam a tal “nudez”…

Ao comer do fruto, o texto diz que perceberam que estavam nus.Mas o que isso quer dizer?Que diferença faz saber isso?E por que, ao perceber que estavam nus, tentaram se cobrir?Quem lhes disse que deviam cubrir a nudez a partir do momento em que a notassem?

Creio que o que aconteceu foi que o homem e a mulher se sentiram culpados após desobedecer ao mandamento divino e, não sabendo como lidar com isso, acharam que o problema estava na nudez.

O problema não era a nudez, nunca foi.Apenas foi uma confusão.

Eles perceberam estar em pecado mas traduziram como “estamos nus”.
Tentaram se esconder de Deus fazendo para si roupas de folhas, como quem tenta se redimir de um erro, fazendo uma boa ação que esconda a má.

Sabendo Deus que a única forma deles se sentirem mais tranquilos novamente, seria falar segundo a simbologia que a mente deles havia criado, matou um animal e os cobriu com uma roupa de peles, já simbolizando também que para o pecado deles ser realmente apagado diante de Deus seria necessário a morte de um inocente no lugar deles.

Talvez tenha sido isso o que originalmente aconteceu, mas aí o tempo passou, a tradição das roupas continuou na maioria dos lugares e as pessoas se acostumaram a andar sempre vestidas, mesmo quando não haja utilidade nisso.

Acostumadas a andar sempre vestidas, acostumaram-se a associar nudez a vulgaridade, erotismo e sensualidade e a achar que é impossível o mundo viver nu sem se tornar uma orgia global.

Alguns escaparam desse pensamento e hoje temos a chance de ver que as coisas podem ser diferentes, que pessoas podem estar nuas e juntas sem desrespeitarem umas às outras conhecendo locais naturistas e seus praticantes.

(Visited 136 times, 1 visits today)
Tags , , , , , , , , , , , , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Sobre Roberto Donizeti Soares

Moro em Catiguá, interior de São Paulo. Sou psicólogo formado pelo Instituto de Ensino Superior de Catanduva (IMES Catanduva, antiga FAFICA) e trabalho em Catanduva, na Superintendência de Água e Esgoto de Catanduva. Li a Bíblia algumas vezes e continuo relendo e buscando um maior entendimento. Simpatizo com o movimento Caminho da Graça do pastor Caio Fábio de Araújo Filho. Gosto de teologia, sociologia, psicologia, antropologia, política, livros, filmes, música, gibis, jogos e brinquedos, entre outras coisas.

6 respostas para Por que nos vestimos?

  1. Lima diz:
    Caro Roberto, analise comigo…

    “E ambos estavam nus, o homem e a sua mulher; E NÃO SE ENVERGONHAVAM.” (Gn 2:25)

    “Então, a serpente disse à mulher: Certamente não morrereis. Porque Deus sabe que, no dia em que dele comerdes, se abrirão os vossos olhos, E SEREIS COMO DEUS, SABENDO O BEM EO MAL.” (Gn 3:5)

    “Então, FORAM ABERTOS OS OLHOS DE AMBOS, E CONHECERAM QUE ESTAVAM NUS; e coseram folhas de figueira, e fizeram para si aventais.” (Gn 3:7)

    “E fez o SENHOR Deus a Adão e a sua mulher túnicas de peles e os vestiu.
    “Então, disse o SENHOR Deus: Eis que o homem é como um de nós, sabendo o bem e o mal”. (Gn 3:21)

    A resposta está aí, Roberto. Eles não tinham a consciência do bem e do mal. A única determinação proibitiva (o único mal) era não comer do fruto da árvore que estava no meio do jardim (o texto não relata outras proibições). Então, ao desobedecerem, comendo do fruto proibido, seus olhos foram abertos, originando-se neles a consciência da nudez e passaram a ter vergonha.

    Todo pecado é passível de sentença. Todos os envolvidos foram sentenciados e as roupas foram parte dessa sentença, no caso do ser humano. Daí para frente, as vestes passaram a fazer parte definitiva na apresentação do homem. Foi Deus quem fez-lhes túnicas, e até que Ele mude isso (e não evidências de que isso acontecerá), é assim que o homem e a mulher devem se apresentar.

    Além do mais, em Moisés, isso virou lei:

    “Não haverá trajo de homem na mulher, e não vestirá o homem veste de mulher; porque qualquer que faz isto abominação é ao SENHOR, teu Deus”. (Dt 22:5)

    Ora, se em Moisés já era abominação homem vestir roupa de mulher e vice-versa, imagine eles viverem nus!!

    Na graça, além disso, as vestes receberam determinados parâmetros:

    “Que do mesmo modo as mulheres se ataviem em traje honesto, com pudor e modéstia, não com tranças, ou com ouro, ou pérolas, ou vestidos preciosos,”(1Tm 2:9)

    Isto é, as vestes devem seguir um padrão dentro do pudor e da modéstia.

    Não é uma questão de ultilidade ou opção. É uma questão de obediência. E nesse quesito, os naturistas não servem como referência, a não ser como indivíduos que negam a autoridade das Escrituras.

    Lima

    • Então você crê mesmo que depois de comer do fruto eles passaram a saber o bem e o mal?Deus queria mesmo esconder isso deles?
      Creio que tanto o fato de Deus dar-lhes roupas quanto a lei da roupa de mulher e de homem podem ser interpretados como simbolos hoje e lembrados como algo que tinha importância numa época em que a consciência humana ainda era menos evoluída que a nossa hoje.
      Além do mais, Moisés falou de roupas de homens e mulheres numa sociedade que já usava roupas e que tinha separação na roupa do homem e da mulher.Paulo falou de traje honesto num contexto em que as pessoas já usavam roupas também.
      Você deve saber que de acordo com o contexto certos costumes mudam para não escandalizar, não que o traje honesto devesse ser usado num contexto em que as pessoas não se vestissem.Nesse caso, o traje “honesto” poderia até ser visto como desonesto.
      Veja como Paulo falava sobre a escravidão.Ele respeitava o contexto da época, mesmo sabendo que não era a vontade de Deus pessoas serem escravizadas.Até elogiou um irmão que tinha um monte de escravos.
      • Lima diz:
        Conforme está escrito (e dito), ainda que não tenha sido em toda a sua amplitude, daquele momento em diante seus olhos foram abertos. Um novo estado de consciência foi estabelecido. Não há como negar isso.

        Não acredito que Deus queria esconder isso deles. Mas no estado de consciência anterior isso lhes era naturalmente oculto.

        Apenas símbolo!? Ora, se naquele contexto onde as coisas ainda não estavam totalmente esclarecidas e eram apenas dois seres humanos, foi conveniente o uso das roupas, que dizer de hoje onde a malícia e a lascívia estão “gritadas aos quatro ventos”?

        Sim, os tempos passaram e o contexto foi mudando. Mas desde o princípio as roupas foram estabelecidas, diga-se de passagem, por DEUS. Ora, não há, por menor que seja, nessa questão, indícios escriturísticos que embasem o naturismo!

        Ah Roberto, você deve saber que Paulo foi um apóstolo genial. Ele se fazia de tudo para salvar alguns mas nunca esteve sem lei. E sabe qual lei ele mais prezava? A lei de Cristo. E, sabe qual é a base da lei de Cristo? O amor. E, sabe que a liberdade figura entre os principais frutos do amor de Cristo? Então, Paulo, cônscio disso, jamais asseveraria a escravidão. Tanto é que ele recomendou a Filemon receber o escravo “fujão”, Onesíforo, não mais como escravo e sim como irmão.

        Tenha em mente o seguinte princípio: nem tudo o que está escrito é o que está dito. Para sabermos o que está escrito basta lermos mas, para sabermos o que está dito precisamos interpretar!!

        Em respeito e honra a Palavra de Deus, regra de fé e conduta para o cristão, não devíamos questionar coisas tão óbvias. Independentemente da motivação, as roupas foram estabelecidas diretamente por Deus, ratificadas por Ele indiretamente em Moisés e de novo ratificadas por Cristo em Paulo.

        • Eu não creio que o fato de hoje a lascívia e a malícia estarem tão fortes torne inviável o desuso das roupas.As pessoas se acostumam.Uma pessoa que convive toda hora com gente vestida e vê uma nua, reage diferente de uma pessoa que vê o tempo todo todos nus.

          Também aprendi sobre o escrito e o dito e em algumas coisas discordamos sobre o que está dito, conforme já deve ter notado.

          • Lima diz:
            Então meu caro, desde que o “mundo é mundo”, 99,99% das pessoas estão acostumadas a viverem vestidas, por todas as razões que já citei. Mudar isso é uma utopia.
  2. Talvez seja, talvez não.Talvez só voltemos a ver isso na Nova Terra.
    Acesse : O Caminho do díscipulo – parte 3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mostrar um dos meus últimos posts

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.