A grande surpresa dos que julgam pela aparência

“Portanto, nada julgueis antes de tempo, até que o Senhor venha, o qual também trará à luz as coisas ocultas das trevas, e manifestará os desígnios dos corações; e então cada um receberá de Deus o louvor.” (I Coríntios 4 : 5)

Domingo passado estava assistindo um programa na RIT TV onde um senhor ensinava uma repórter a retirar o Látex da seringueira, já que ele trabalhava com isso.
No fim da reportagem se dizia que ele ainda não tinha se convertido, porém sabia que Jesus era o caminho; e até filmaram ele cantando um hino de J. Neto.
O que leva alguém a pensar que aquele senhor não era um crente, o fato dele não ser filiado a uma instituição? Continue reading

A doce revolução de Jesus

“E, interrogado pelos fariseus sobre quando havia de vir o reino de Deus, respondeu-lhes, e disse: O reino de Deus não vem com aparência exterior.” (Lucas 17 : 20)

Estive lendo um post onde um evangélico comenta sobre o fato de Chavez ter falado de Jesus como” o primeiro revolucionário” e diz que dizer que Jesus era um revolucionário era rebaixá-lo.
Embora acredite que o tipo de revolução a que Chávez estava se referindo não tenha nada a ver com o que Jesus fez na terra e faz, acredito que ele foi e é um revolucionário, não de revoluções políticas ou objetivas e sim internas e subjetivas.
A revolução que Jesus prega é diferente da revolução almejada pelos judeus de seu tempo, que era política e terrena, mas não deixava de ser uma revolução.
Ele queria que as pessoas compreendessem a Deus para si mesmas e se tornassem sal da terra e luz do mundo a fim de pouco a pouco irem mudando o ambiente em que viviam, expressando Deus, isso iria revolucionar tudo.
A forma de Jesus ensinar também causa uma revolução no coração das pessoas, modificando conceitos errôneos e padrões impostos pela sociedade em que vive, inclusive pela religião.
Como alguém disse, é uma doce revolução.

Links relacionados

Um convite à doce revolução – O Reino é simples!

 


É inteligente um cristão ser contra a camisinha?

“Se dissermos que não pecamos, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós.” (I João 1 : 10)

Estava lendo o post do Raphael sobre o dia mundial de combate a AIDS, onde ele fala que num país onde há não-cristãos não é sensato ir contra a distribuição facilitada de preservativo no país, já que eles vão transar mesmo e desprotegidos vão se dar mal.
Vou além, dizendo que mesmo o cristão pode acabar transando desprotegido e se dar muito mal.
Visto que segundo nos diz a Palavra todos pecamos e não havendo graus diferentes de pecado (com exceção da blasfêmia contra o Espírito) logo eu posso supor que o pecado do irmãozinho possa vir a ser a fornicação ou outro tipo de relação sem amor e compromisso.
Não estou dizendo aqui que isso seja correto e sim que sendo sempre presente a possibilidade do cristão cair em pecado (que pode ser sim o sexo), não devemos negar à igreja o uso da camisinha, pois dessa forma estaríamos condenando um pecador a uma destruição física de que, mesmo perdoado, não escaparia.
Portanto não vejo o porque de se proibir a camisinha, deve-se sim ensinar (e não impor) que o sexo sem amor e compromisso é ruim, mas não se deve retirar de suas mentes os recursos que um dia podem usar para evitar doenças (se vão usar para o mal, é entre eles e Deus).