Rótulos são tão importantes assim?

“Fiz-me como fraco para os fracos, para ganhar os fracos. Fiz-me tudo para todos, para por todos os meios chegar a salvar alguns.”  (I Coríntios 9 : 22)

Tenho percebido que algumas pessoas,principalmente no meio evangélico, tem uma preocupação exagerada com como o rótulo que algo ou alguém carrega.

Há anos atrás,  alguns debatiam sobre como seria a forma correta de se rotular um crente, se era “crente”, cristão ou “evangélico”.

Já a pouco tempo ouvi uma irmã dizer que achava o Caio Fábio estranho só porque usava nomes como “caminho”, “mentor” e “estação”(entre outros) e outra que não gostava dele por ele não gostar do nome “evangélico”.

Eu pessoalmente, de um tempo para cá, preferi me afastar de nomes devido a limitação e compromissos que eles acabam trazendo a quem os usa aos olhos dos outros.

De modo que se você diz que é “do Caminho”, alguns imaginam que então você  deve ser de uma seita;  se se diz evangélico acham que tem que manter o padrão imaginado por eles.

Creio que somos o que somos,independentemente de como nos chamamos ou outros nos chamam.

Hoje em dia eu me denomino, cristão, crente, protestante, evangélico, caminhante, testemunha de Jeová, testemunha de Jesus e etc.

Utilizo rótulos apenas para que me entendam e não necessariamente para mostrar quem eu sou nos mínimos detalhes,por isso se vou falar com alguém que só entende cristão como “evangélico”, não complicarei tentando usar um nome que ela não conheça e direi que sou evangélico; porém, se for falar com um testemunha de Jeová, também posso me dizer testemunha de Jeová (embora por alguns motivos eu prefira não fazer isso mais).

Nome é como roupa, apenas cobre o que você é na verdade.

 

Beijo na boca é sexo? Uma reflexão evangélica

amor a natureza

Há algum tempo atrás uma amiga postou um texto esquisito numa comunidade e fez surgir um debate sobre se beijo seria sexo.

A argumentação do texto é que o beijo de língua seria sexo porque tem “penetração” de um membro em outro.

A principio percebi a bobagem do argumento e disse que aquilo era uma forma humana de tentar evitar o que eles creem que seja pecado(sexo), demonstrando a falta de temperança na vida deles.

Depois porém, deixando aquela argumentação tola, perguntei a mim mesmo:Seria o beijo sexo? Haveria para Deus diferença?

Pesquisei na bíblia e percebi que, aparentemente, ela não faz esse tipo de separação.

A Bíblia não fala de beijo na boca como algo mais leve do que outras intimidades (inclusive o sexo).

Aparentemente a visão da diferença entre beijo e sexo é algo cultural, assim como o modo de se vestir e tantas outras coisas que a gente aprende desde pequeno,não tendo base bíblica.

Não estou dizendo que beijo seja pecado e sim que acredito que sexo e beijo estejam no mesmo patamar ou trabalhem em conjunto.

A profecia que supostamente recebi

Hoje foi culto de jovens na AD ministério Catanduva de Catiguá.
Como foi me dada um oportunidade para falar algo da parte de Deus li a seguinte passagem:

Mas Deus, que é riquíssimo em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou,
Estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos),
E nos ressuscitou juntamente com ele e nos fez assentar nos lugares celestiais, em Cristo Jesus;
Para mostrar nos séculos vindouros as abundantes riquezas da sua graça pela sua benignidade para conosco em Cristo Jesus.
Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus.
Não vem das obras, para que ninguém se glorie;
Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas.Efésios 2:4-10

Depois disso fui para o meu lugar achando que talvez alguém teria se espantado ou até se irritado com minha leitura.
Quando foi o momento da segunda oferta (para os jovens) eu fui para a tesouraria e o irmão que iria pregar me encarou, e eu pensei que ele não tivesse gostado muito da minha leitura ou me conhecesse de algum fórum.
Fiquei enrolando na tesouraria até que acabasse a pregação do irmão, que falava que temos que ser justos com Deus para ele ser justo conosco.
Quando porém ele chamou os jovens para orar eu saí e aí ele disse que Deus tinha uma grande obra na minha vida e tinha me escolhido e disse também que eu tinha achado que tinha gente me reparando(na verdade eu achei que ele estava)
No final do culto ao cumprimentar o irmão Luizinho ele me disse:

“Cuidado, cuidado, cuidado com os falsos profetas, que parecem estar certos agora”.