Feliz natal – Reflexões sobre o filme e a guerra

merry-christmas-joyeux-noel-poster[1]

agora em Cristo Jesus, vós, que antes estáveis longe, já pelo sangue de Cristo chegastes perto.Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos os povos fez um; e, derrubando a parede de separação que estava no meio, na sua carne desfez a inimizade […] para criar em si mesmo dos dois um novo homem, fazendo a paz, e pela cruz reconciliar ambos com Deus em um corpo, matando com ela as inimizades.E, vindo, ele evangelizou a paz, a vós que estáveis longe, e aos que estavam perto;Porque por ele ambos temos acesso ao Pai em um mesmo Espírito.Assim que já não sois estrangeiros, nem forasteiros, mas concidadãos dos santos, e da família de Deus;

 

Efésios 2:13-19

 

Sinopse:No Natal de 1914, durante a 1ª Guerra Mundial, soldados franceses, escoceses e alemães abandonam seus rifles nas trincheiras e saem na neve, à noite, para comemorem juntos o Natal. É o suficiente para mudar a vida de um padre anglicano, um tenente francês, um tenor alemão e sua companheira, uma soprano.

 

Considero o filme Feliz Natal(Joyeux Noël) o melhor filme de guerra que já assisti.

 

O filme todo mostra a guerra como algo terrível, como sendo uma obrigação terrível para os que participaram dela.Nenhum personagem carismático a vê com bons olhos e nem com empolgação.

 

Além da crítica, o milagre da trégua é algo lindo de se ver.No meio de uma guerra desumana ressurge a humanidade de tantos homens.

 

O natal é o que causa essa trégua e une essas diferentes tropas de diferentes nações, o que me fez lembrar da passagem bíblica que cito no inicio desse texto.Mais tarde o padre que apoiou a trégua diz que tentou seguir a Jesus da melhor forma possível, ao apoiar essa união de povos.Sua interpretação dos fatos é diferente da do outro religioso que tenta usar uma outra passagem bíblica de forma distorcida para incentivar uma outra tropa a destruir seus inimigos:

 

Não cuideis que vim trazer a paz à terra; não vim trazer paz, mas espada;

Mateus 10:34

 

O falso profeta afirma que a espada do Senhor estava com os soldados e que eles deveriam destruir o exército do outro povo, pois esses não eram “filhos de Deus” como eles seriam.Usa como argumento que o outro exercito faz coisas terríveis que eles mesmos não fazem.A solução?Fazer as mesmas coisas com eles agora, para que não se levantem mais.

 

Diante disso, o padre que apoiou a trégua deixa seu crucifixo pendurado num lugar e vai embora, simbolizando talvez um abandono de Fé por achar que Jesus pudesse mesmo ter algo a ver com aquela loucura;ou talvez o padre apenas tenha abandonado aquela forma tradicional de crer e tenha decidido andar de forma independente, de acordo com sua consciência.

 

Isso representa bem muito da nossa realidade atual, onde muitos homens distorcem a Bíblia a fim de conseguir lucro ou incutir falsas ideologias na mente das pessoas.Muitos se afastam das igrejas por não conseguirem diferenciar o que Deus realmente diz e o que é distorcido.Outros abandonam o convívio com grupos por entenderem de forma muito diferente dos demais e aí vão viver a sua espiritualidade de forma independente e informal.

 

Num certo momento, um pai conversa sobre o filho sobre a guerra.O pai, que acha a guerra importante e detestou saber da trégua, acha terrível que tenha chegado um tempo em que uma pá tenha valido mais que uma arma (talvez se referindo ao prolongamento da trégua a fim de que as tropas de ambos os lados pudessem enterrar seus mortos).Esse tipo de gente não conseguiria se contentar com o Paraíso:

 

Ele julgará entre muitos povos e resolverá contendas entre nações poderosas e distantes. Das suas espadas, farão arados, e das suas lanças, foices. Nenhuma nação erguerá a espada contra outra, e não aprenderão mais a guerra.

Todo homem poderá sentar-se debaixo da sua videira e debaixo da sua figueira, e ninguém os incomodará, pois assim falou o Senhor dos Exércitos.

 

Miquéias 4:3-4

Ofertas que Deus não quer

Happy Ramadhan, Eid Mubarak - عيد فطر مبارك

photo: Hamed Saber

E dizia-lhes: Bem invalidais o mandamento de Deus para guardardes a vossa tradição.Porque Moisés disse: Honra a teu pai e a tua mãe; e quem maldisser, ou o pai ou a mãe, certamente morrerá.

Vós, porém, dizeis: Se um homem disser ao pai ou à mãe: Aquilo que poderias aproveitar de mim é Corbã, isto é, oferta ao Senhor;

Nada mais lhe deixais fazer por seu pai ou por sua mãe,

Invalidando assim a palavra de Deus pela vossa tradição, que vós ordenastes. E muitas coisas fazeis semelhantes a estas.
Marcos 7:9-13

Na passagem acima podemos verificar uma tática maligna dos fariseus para arrecadar dinheiro que ainda é praticada hoje por algumas pessoas, ainda que com pequenas alterações.

Alguns exemplos modernos:

Em Catiguá – SP, há anos atrás, uma reunião foi feita no porão da Assembléia de Deus ministério Catanduva para repreender um irmão que estava deixando de dizimar para poder comprar remédios para sua filha.

Alguns anos depois, um irmão com dificuldades financeiras foi aconselhado a dizimar mesmo sem condições, recebendo a promessa de que receberia uma cesta básica como ajuda.Cesta básica essa que se não fosse dada a ele seria dada, na teoria, para algum necessitado da cidade.

Sem dúvida é importante ajudar na manutenção de um local de reunião, mas a prioridade de Deus é que invistamos em pessoas, nas necessidades mais urgentes delas.

Muitos dão o dízimo para sua igreja e fecham os olhos para as demais necessidades do mundo.Se ajudam mais alguém, ajudam com migalhas e pensam que não tem obrigação de ajudar ninguém porque já fazem seu “corbã”.

Deus não se agrada dessa inconsequência.Se a Bíblia mostra em alguns momentos doações sendo pedidas para manter estruturas religiosas, ela nos ensina muito mais que devemos cuidar dos nossos, cuidar dos pobres e coisas semelhantes a essas.

Se você não tem como ajudar tudo, veja o que Deus considera prioridade e não continue sendo enganado pelo argumento do corbã.Deus é amado no próximo.

se alguém não tem cuidado dos seus, e principalmente dos da sua família, negou a fé, e é pior do que o infiel. 1 Timóteo 5:8

O justo tem consideração pela vida dos seus animais, mas as afeições dos ímpios são cruéis. Provérbios 12:10

Ao SENHOR empresta o que se compadece do pobre, ele lhe pagará o seu benefício. Provérbios 19:17

disse o homem. “Estás certo ao dizeres que Deus é único e que não existe outro além dele.

Amá-lo de todo o coração, de todo o entendimento e de todas as forças, e amar ao próximo como a si mesmo é mais importante do que todos os sacrifícios e ofertas”.

Vendo que ele tinha respondido sabiamente, Jesus lhe disse: “Você não está longe do Reino de Deus”
Marcos 12:32-34

Se alguém diz: Eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu? 1 João 4:20

Liberte os que estão sendo levados para a morte; socorra os que caminham trêmulos para a matança!

Mesmo que você diga: “Não sabíamos o que estava acontecendo! ” Não o perceberia aquele que pesa os corações? Não o saberia aquele que preserva a sua vida? Não retribuirá ele a cada um segundo o seu procedimento?
Provérbios 24:11-12

A bondade de Deus e o câncer

And the hair is gone!
Creative Commons License photo credit: jennifrog

“Eu formo a luz, e crio as trevas; eu faço a paz, e crio o mal; eu, o SENHOR, faço todas estas coisas.”  (Isaías 45 : 7)

“E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.”  (Romanos 8 : 28)

Há quase um mês atrás, eu estive no Hospital do câncer de Barretos e vi um senhor conversando com duas funcionárias dizendo que tinha recebido alta do seu tratamento.

Ao ouvir isso as funcionárias deram graças a Deus e lhe perguntaram:

– Viu como Deus é bom?

Quando vi aquela cena eu pensei:

– Como é que pessoas que convivem com pessoas cancerosas diariamente, algumas que se salvam e outras que não, ainda associam a bondade de Deus somente à cura do câncer?

Enquanto escrevo, penso que talvez eles não tenham feito essa associação, mas vejam bondade de Deus também na cura.

A verdade é que Deus trabalha não somente na saúde mas também na doença, inclusive no câncer, logo Deus é bom tanto por curar, quanto por colocar (ou deixar que surja, como queiram) o câncer em alguém.

Eu estava no hospital porque minha mãe tinha ido fazer um exame.Ela teve câncer de mama, retirou um dos seios, fez radioterapia e quimioterapia e agora aparentemente está curada mas ainda tem que fazer exames de tempos em tempos.

Eu creio que seja bondade de Deus ela ter se curado mas também acho que foi bondade de Deus ela ter passado por isso.

Depois da descoberta da doença, ela parece estar mais interessada em Deus meu pai desistiu do bar que gerenciava e que lhe dava, além de dinheiro, muito stress e cansaço; e um tio que guardava uma mágoa de minha mãe a perdoou, permitindo que passássemos a conviver melhor do que nunca.

C.S. Lewis, famoso escritor cristão(autor de As crônicas de Nárnia), perdeu várias pessoas amadas pelo câncer; depois de perder a sua amada ele disse, entre outras coisas:

“Deus certamente não estava fazendo uma experiência com minha fé nem com meu amor para provar sua qualidade. Ele já os conhecia muito bem. Eu é que não. Nesse julgamento, ele nos faz ocupar o banco dos réus, o banco das testemunhas e o assento do juiz de uma só vez. Ele sempre soube que meu templo era um castelo de cartas. A única forma de fazer-me compreender o fato foi colocá-lo abaixo.”(Trecho do livro Anatomia de uma dor – um luto em observação  )

Outro que está conseguindo enxergar coisas boas coisas da sua experiência com câncer é o ator Reynaldo Gianecchini: