Bolsonaro e os salários menores das mulheres

Adiada a votação de processo contra Jean Wyllys

Um dos assuntos mais polêmicos relacionados a Jair Messias Bolsonaro é seu suposto apoio a que mulheres ganhem menos do que homens. Ele e seus seguidores negam que ele em algum momento tenha dito isso e dizem que ele apenas disse entender os motivos dos patrões em pagar menos para as mulheres, mas não apoia que isso aconteça.

Disse ou não disse

É verdade que Bolsonaro nunca disse explicitamente que apoia o pagamento diferenciado, porém ele já afirmou à Luciana Gimenez que ele mesmo não contrataria uma mulher com o mesmo salário.

Obviamente se, no íntimo, ele apoia a diferenciação no pagamento, isso por si só não significa que ele apoiará que isso aconteça em seu governo ou que mesmo transformará isso em lei, mas deixa uma brecha para que aconteçam abusos, já que não é algo que o incomoda (embora as perguntas a esse respeito o incomodem).

Direitos trabalhistas relativizados

Outro argumento de Bolsonaro é que já existe lei sobre isso e que, por isso, não há mais nada que possa fazer a respeito do assunto. Ao mesmo tempo ele diz que o governo não pode interferir nas empresas, sendo ele mesmo um defensor da diminuição dos direitos trabalhistas por dizer que havendo menos direitos a possibilidade de aumento de empregos é maior e seria melhor estar empregado com menos direitos do que não estar empregado.

Algo que ele não explica é porque a lei já existente sobre a mulher dever ganhar menos que o homem não funciona. Ele que vive dizendo que fará funcionar leis que não funcionam direito, não diz que fará essa funcionar direito. Aparentemente, garantir direitos trabalhistas não está entre suas prioridades.

No debate da RedeTV ele disse a Henrique Meirelles que a lei tem que ser cumprida, mas não diz que se inclui aí a lei que diz que mulheres devem ganhar o mesmo que homens. Deixa aí uma contradição no ar. Como fazer cumprir leis trabalhistas como a da igualdade de salários se ele acha que o governo não deve interferir nas empresas? E se ele acha que direitos trabalhistas mais atrapalham do que ajudam, porque não diz que extinguirá essas leis, talvez jogando-as na latrina como disse que poderia ser feito com o estatuto da criança e do adolescente?

Conclusão

Aparentemente ele tenta em seu discurso agradar de forma superficial ao maior número possível de pessoas. Em resumo, tendo ou não dito que apoia a diferença salarial entre homens e mulheres e acreditando ou não nisso em seu coração, não podemos esperar que ele moverá uma palha a esse respeito.

(Visited 48 times, 1 visits today)
Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Sobre Roberto Donizeti Soares

Moro em Catiguá, interior de São Paulo. Sou psicólogo formado pelo Instituto de Ensino Superior de Catanduva (IMES Catanduva, antiga FAFICA) e trabalho em Catanduva, na Superintendência de Água e Esgoto de Catanduva. Li a Bíblia algumas vezes e continuo relendo e buscando um maior entendimento. Simpatizo com o movimento Caminho da Graça do pastor Caio Fábio de Araújo Filho. Gosto de teologia, sociologia, psicologia, antropologia, política, livros, filmes, música, gibis, jogos e brinquedos, entre outras coisas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mostrar um dos meus últimos posts

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.