Dízimos e ofertas – informações úteis

“Na Graça de Deus o dizimo é assim: filho da Lei da Graça, pois, é fruto da gratidão alegre; e não é uma obrigação legal. Todavia, mesmo não sendo uma obrigação legal, é, entretanto, um principio espiritual, o qual carrega em si as bênçãos que correspondem ao significado de um ser um humano ofertar suas posses a Deus, através de bens e serviços aos homens; e fazendo isto com alegria, conforme a Lei da Graça acerca desse assunto, a qual pode ser lida em II Coríntios 8-9.” (Caio Fábio)

Para você que vai falar sobre dízimos e ofertas amanhã na EBD ou para quem só quer saber mais sobre o assunto, alguns links, por ordem de importância:

Dízimos e ofertas (vídeo)

Como fica o dízimo?

 

Creio que esclarecem o essencial do assunto.

Deus não tem que restaurar seu casamento

He is leaving

“Porque, de onde sabes, ó mulher, se salvarás teu marido? ou, de onde sabes, ó marido, se salvarás tua mulher?”  (I Coríntios 7 : 16)

Um dos temas mais populares desse blog é divórcio e recasamento.Muita gente acha divórcio inaceitável, alegando que quem se divorcia não confia que Deus tenha poder de restaurar o casamento ruim.

Ora, eu acredito que o divórcio (seguido, na maioria das vezes, de outro casamento) seja necessário em muitos casos e acredito também que Deus poderia restaurar qualquer casamento, caso fosse essa sua vontade.

Mas não é.

Não que não fosse a vontade de Deus que todo homem e toda mulher se casassem apenas uma vez e fossem felizes.Ele apenas não força ninguém a isso.

Deus nos dá muitas coisas, entre elas a liberdade.E não dá para nos deixar livres e ao mesmo tempo impor sua Vontade em todo casamento.

Deus pode trabalhar na vida dos envolvidos para que ambos cheguem a conclusão de que devem buscar a cura do relacionamento mas para isso há um limite, que Deus não ultrapassará.

A Bíblia apresenta vários passagens que nos mostram que Deus não restaura todo casamento ruim:

“Eu, porém, vos digo que qualquer que repudiar sua mulher, a não ser por causa de prostituição, faz que ela cometa adultério, e qualquer que casar com a repudiada comete adultério.”  (Mateus 5 : 32)

“Mas, se o descrente se apartar, aparte-se; porque neste caso o irmão, ou irmã, não esta sujeito à servidão; mas Deus chamou-nos para a paz.”  (I Coríntios 7 : 15)

Jesus diz que em caso de infidelidade (ou seja qual for a outra tradução melhor para o termo) a pessoa não adulterava se se separasse e casasse de novo.Se Deus realmente estivesse interessado em restaurar todo casamento, porque é que Ele diria isso?Não deveria ele dizer que, mesmo em caso de infidelidade, os dois deveriam ficar juntos à espera da restauração?

Paulo diz que se uma irmã casada com alguém descrente, caso este não a queira mais devido à sua fé, está livre do casamento.Não deveria ele dizer que a irmã deveria permanecer em oração até Deus restaurar seu casamento, salvar seu marido e etc?

Não!A Bíblia não dá essas respostas fantasiosas e ilusórias.
Se você está num casamento ruim, deve se esforçar para salvá-lo e pode pedir ajuda a Deus nisso, mas não deve achar que Deus tem de fazer isso (mesmo que você tenha muita fé).

Casamentos são restaurados muitas vezes, mas nem todas.

Creative Commons License photo credit: h.koppdelaney

É pecado comer carne de porco?

Two eggs sunny side up, bacon, and home fries with cheddar cheese
Creative Commons License photo credit: @joefoodie

“Também o porco, porque tem unhas fendidas, e a fenda das unhas se divide em duas, mas não rumina; este vos será imundo.”  (Levítico 11 : 7)

“Nem o porco, porque tem unha fendida, mas não rumina; imundo vos será; não comereis da carne destes, e não tocareis nos seus cadáveres.”  (Deuteronômio 14 : 8 )

Muitos se baseiam nos versos acima para afirmar que os cristão não deveriam comer carne de porco, apesar do Novo Testamento nada ensinar sobre isso e de Jesus dizer que nada que comemos nos torna impuros (espiritualmente falando).

“O que contamina o homem não é o que entra na boca, mas o que sai da boca, isso é o que contamina o homem.”  (Mateus 15 : 11)

Quando a lei de Moisés falava que algo era imundo, muitas vezes (senão todas) estava apenas dizendo que era algo sujo do ponto de vista físico.

Como na época as pessoas não tinham o conhecimento científico que temos hoje, Deus colocou leis de higiene dentre as leis de Moisés, para que o povo pudesse viver de forma mais saudável.

Assim, a lei chamava a carne de porco e de outros animais de imunda, ao mesmo tempo em que dizia que uma pessoa ficava imunda após fazer sexo, depois de ejacular,durante a menstruação, entre outros:

“E também se um homem se deitar com a mulher e tiver emissão de sêmen, ambos se banharão com água, e serão imundos até à tarde.”  (Levítico 15 : 18)

“Também o homem, quando sair dele o sêmen da cópula, toda a sua carne banhará com água, e será imundo até à tarde.”  (Levítico 15 : 16)

“Mas a mulher, quando tiver fluxo, e o seu fluxo de sangue estiver na sua carne, estará sete dias na sua separação, e qualquer que a tocar, será imundo até à tarde.”  (Levítico 15 : 19)

Em todas essas leis se dizia que a pessoa deveria tomar banho;provavelmente sem essas leis as pessoas fossem ficar muito tempo sem se lavar e correriam o risco de pegar uma infecção.

Voltando ao porco, creio que a maioria de nós já ouviu falar que a carne do porco deve ser bem cozida para evitar certas doenças.

Creio que talvez seja esse o motivo da carne de porco ter sido vista como imunda na lei, se não for exatamente esse o motivo, deve ser algum outro relacionado à saúde, de acordo com os outros exemplos que observamos acima.

Jesus nunca ensinou nada sobre esse assunto nos evangelhos.Os discípulos também não mencionam isso em Atos, embora tenham mencionado a questão da carne com sangue, dentre as instruções para evitar escandalizar judeus:

“Que vos abstenhais das coisas sacrificadas aos ídolos, e do sangue, e da carne sufocada, e da prostituição, das quais coisas bem fazeis se vos guardardes. Bem vos vá.”  (Atos 15 : 29)

Resumindo: não há problema em se comer carne de porco desde que se faça com higiene.Deus não tem nada contra (ao menos nada revelado na Bíblia).