Jesus e o marido da samaritana

Disse-lhe Jesus: Vai, chama o teu marido, e vem cá.

A mulher respondeu, e disse: Não tenho marido.

Disse-lhe Jesus: Disseste bem: Não tenho marido;Porque tiveste cinco maridos, e o que agora tens não é teu marido; isto disseste com verdade.(João 4:16-18)

Eu acho interessante essa conversa de Jesus pelo modo como ele se refere ao marido da samaritana.

Ele começa mandando que ela chame o marido para pouco depois dizer que o marido não era o marido dela.

Há uma contradição.Como interpretá-la?

A maioria das pessoas parece-me que pensa que Jesus se “fez de bobo” perguntando a mulher algo que sabia não ser verdade só para poder mostrar que a conhecia muito melhor do que ela imaginava(ou talvez realmente não soubesse na hora, só vindo a receber a revelação em seguida) .

Segundo essa interpretação, o marido não seria marido mas um homem com quem ela era “amasiada”, um namorado, amante ou algo assim(alguém que com quem não era “casada oficialmente”).

Meu amigo Edson Pedrassani crê que a mulher até poderia ser “casada oficialmente” mas que negou ter marido para tentar ver se seduzia Jesus e, por ter negado, demonstrou que não considerava o seu marido como marido verdadeiramente, no coração, recebendo – por isso – a confirmação de Jesus de que aquele não era o marido dela.

Eu acredito que Jesus chama o marido da samaritana de marido porque realmente diante de Deus aquele era o marido dela, embora ele não o fosse “oficialmente”.

A mulher se sente na obrigação de responder “oficialmente” e aí jesus confirma que “oficialmente tiveste cinco maridos mas este não é um marido oficial, embora o seja diante de meus olhos”.

Eu imagino que essa mulher tenha recebido 4 cartas de divórcio (já que não havia ceridão de casamento, somente de divórcio) e foi abandonada pelo quinto marido sem carta, vindo a se relacionar com um homem enquanto oficialmente ainda era vista como pertencente ao seu ex.

Aparentemente era costume de alguns homens abandonarem suas esposas sem lhes dar carta de divórcio (esse foi o motivo pelo qual Moisés mandou que se desse carta de divórcio em caso de separação, para que se tivesse uma prova de que a mulher estava liberada para um novo relacionamento).

Nesse caso, o marido não era visto pelo povo como o marido oficial da samaritana, não havia prova de que ela estava livre de seu ex, mas diante de Deus valia o seu relacionamento atual.

Se fosse nos nossos dias, seriam  amasiados, namorados ou algo assim aos olhos dos homens mas aos olhos de Deus seriam um casal de verdade.

E você?Como interpreta?

Por que sou contra o PLC 122/2006?

Lesbian Romance
Creative Commons License photo credit: Made Underground

Em minha opinião o projeto de lei é inconstitucional na forma como está redigido, pois, gera uma soberania de direito ao grupo que demanda tal direito, que, pela própria natureza da formulação legal, anula outros direitos superiores e bem mais antigos em sua legitimidade.

(Caio Fábio no seu texto Lei da mordaça )

Eu sou contra o PLC 122 não porque eu tenha alguma coisa contra a defesa dos homossexuais contra agressões que sofram  pela escolha que fizeram mas porque acho que o projeto de lei exagera e dá direitos demais aos homossexuais.

Não sou experiente em interpretação de leis mas me parece (não só a mim mas a outras pessoas que não parecem homofóbicas) que a lei pretende dar direitos aos homossexuais que nem os heterossexuais nunca tiveram.

A lei poderia ser usada para justificar atos escandalosos (carícias exageradas em público, por exemplo) e para um homossexual se manter para sempre em determinado emprego, já que se o patrão decidisse despedir a pessoa por qualquer motivo que fosse, o funcionário poderia alegar que foi por discriminação.

Sou leigo em direito, então se minhas interpretações estiverem erradas podem me corrigir.

Fora os exageros eu não teria nada contra uma lei bem escrita que defendesse os homossexuais contra discriminação, até apoiaria.

Parece que ia haver uma alteração no projeto de lei, talvez fique aceitável.

E você? O que acha?

Links relacionados:

Opinião de Caio Fábio
Opinião de Marco Alcantara

Por exemplo, por tal lei, no caso de ela um dia vigorar, os demais direitos universais (como o de expressão de opinião de qualquer natureza, se for contrária às manifestações homossexuais, ainda que escandalosas), serão subjugados pelos direitos de qualidade “Homocráticas” de tal grupo, posto que, pelo bojo da proposta, declara-se mesmo a impossibilidade de discordar publicamente de práticas ou ideologias de conteúdo homossexual.