Feliz natal – Reflexões sobre o filme e a guerra

merry-christmas-joyeux-noel-poster[1]

agora em Cristo Jesus, vós, que antes estáveis longe, já pelo sangue de Cristo chegastes perto.Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos os povos fez um; e, derrubando a parede de separação que estava no meio, na sua carne desfez a inimizade […] para criar em si mesmo dos dois um novo homem, fazendo a paz, e pela cruz reconciliar ambos com Deus em um corpo, matando com ela as inimizades.E, vindo, ele evangelizou a paz, a vós que estáveis longe, e aos que estavam perto;Porque por ele ambos temos acesso ao Pai em um mesmo Espírito.Assim que já não sois estrangeiros, nem forasteiros, mas concidadãos dos santos, e da família de Deus;

 

Efésios 2:13-19

 

Sinopse:No Natal de 1914, durante a 1ª Guerra Mundial, soldados franceses, escoceses e alemães abandonam seus rifles nas trincheiras e saem na neve, à noite, para comemorem juntos o Natal. É o suficiente para mudar a vida de um padre anglicano, um tenente francês, um tenor alemão e sua companheira, uma soprano.

 

Considero o filme Feliz Natal(Joyeux Noël) o melhor filme de guerra que já assisti.

 

O filme todo mostra a guerra como algo terrível, como sendo uma obrigação terrível para os que participaram dela.Nenhum personagem carismático a vê com bons olhos e nem com empolgação.

 

Além da crítica, o milagre da trégua é algo lindo de se ver.No meio de uma guerra desumana ressurge a humanidade de tantos homens.

 

O natal é o que causa essa trégua e une essas diferentes tropas de diferentes nações, o que me fez lembrar da passagem bíblica que cito no inicio desse texto.Mais tarde o padre que apoiou a trégua diz que tentou seguir a Jesus da melhor forma possível, ao apoiar essa união de povos.Sua interpretação dos fatos é diferente da do outro religioso que tenta usar uma outra passagem bíblica de forma distorcida para incentivar uma outra tropa a destruir seus inimigos:

 

Não cuideis que vim trazer a paz à terra; não vim trazer paz, mas espada;

Mateus 10:34

 

O falso profeta afirma que a espada do Senhor estava com os soldados e que eles deveriam destruir o exército do outro povo, pois esses não eram “filhos de Deus” como eles seriam.Usa como argumento que o outro exercito faz coisas terríveis que eles mesmos não fazem.A solução?Fazer as mesmas coisas com eles agora, para que não se levantem mais.

 

Diante disso, o padre que apoiou a trégua deixa seu crucifixo pendurado num lugar e vai embora, simbolizando talvez um abandono de Fé por achar que Jesus pudesse mesmo ter algo a ver com aquela loucura;ou talvez o padre apenas tenha abandonado aquela forma tradicional de crer e tenha decidido andar de forma independente, de acordo com sua consciência.

 

Isso representa bem muito da nossa realidade atual, onde muitos homens distorcem a Bíblia a fim de conseguir lucro ou incutir falsas ideologias na mente das pessoas.Muitos se afastam das igrejas por não conseguirem diferenciar o que Deus realmente diz e o que é distorcido.Outros abandonam o convívio com grupos por entenderem de forma muito diferente dos demais e aí vão viver a sua espiritualidade de forma independente e informal.

 

Num certo momento, um pai conversa sobre o filho sobre a guerra.O pai, que acha a guerra importante e detestou saber da trégua, acha terrível que tenha chegado um tempo em que uma pá tenha valido mais que uma arma (talvez se referindo ao prolongamento da trégua a fim de que as tropas de ambos os lados pudessem enterrar seus mortos).Esse tipo de gente não conseguiria se contentar com o Paraíso:

 

Ele julgará entre muitos povos e resolverá contendas entre nações poderosas e distantes. Das suas espadas, farão arados, e das suas lanças, foices. Nenhuma nação erguerá a espada contra outra, e não aprenderão mais a guerra.

Todo homem poderá sentar-se debaixo da sua videira e debaixo da sua figueira, e ninguém os incomodará, pois assim falou o Senhor dos Exércitos.

 

Miquéias 4:3-4

O cristão e as eleições

Algumas pessoas acham que não devem votar porque isso estaria sendo uma rejeição ao governo de Cristo.

Isso se baseia, em parte, nos relatos bíblicos acerca do pedido de Israel a Deus de um rei:

Disseram a Samuel que desde que ele se aposentou as coisas tinham mudado muito, pois seus filhos não eram homens de bem.

“Escolha um rei para nós; veja que todas as outras nações têm seu rei”, disseram os chefes de Israel.Samuel não ficou contente com esse pedido de um rei, e orou ao Senhor pedindo conselho.

“Faça o que eles pedem”, respondeu o Senhor, “pois é a Mim que rejeitam, e não a você eles não querem mais que Eu seja o Rei deles.Desde quando os tirei do Egito, continuamente Me abandonaram e seguiram a outros deuses. E agora tratam a você da mesma maneira.
(I Samuel 8:4-8)

Essa passagem fala de um povo que já tinha um líder temente a Deus e que queria algo mais parecido com as outras nações.Por isso é dito que eles estavam rejeitando o reinado de Deus.Não era o caso de uma democracia, evidentemente.

A maioria dos cristãos hoje vivem em democracias e nas eleições tem a chance de escolher um governante para continuar cuidando de uma cidade, estado ou país.Não há a opção, no momento, de ser governado apenas por um homem de Deus.Sabemos que Cristo reinará um dia, mas enquanto ele não volta, é aqui que vivemos e são homens (crentes ou não) que nos governarão.

Paulo diz que devemos orar pelos governantes para que tenhamos uma boa vida:

Ore dessa forma pelos reis, e por todos os outros que têm autoridade sobre nós ou que ocupem cargos de alta responsabilidade, a fim de que possamos viver em paz e tranqüilidade, gastando o nosso tempo em viver piedosamente e pensar muito a respeito do Senhor.
(I Timóteo 2:2)

Na época dele, os que o liam não escolhiam seus governantes.Se ele aconselha a orar por eles para que se pudesse ter uma boa vida, provavelmente também nos diria que deveríamos fazer nossa parte nas eleições e procurar votar naquele que nos pareça o melhor candidato possível para aquela vaga.

Os governantes por quem Paulo aconselha orar provavelmente não eram cristãos e nem mesmo corretos, de acordo com os ensinamentos bíblicos.Não devemos crer que só possamos votar hoje em um candidato que se diga evangélico ou cristão mas em qualquer candidato que possa ajudar nossa cidade, estado ou país, independentemente da sua crença, opção sexual ou comportamentos biblicamente errados mas que não afetem o governo.

Achar que basta orar seja lá qual for o candidato eleito é o mesmo que achar que basta orar e não agir ou ajudar.A fé sem obras é morta, como já sabemos.

“Meus irmãos, que aproveita se alguém disser que tem fé, e não tiver as obras? Porventura a fé pode salvá-lo?”  (Tiago 2 : 14)

No caso das eleições, somente orar pelo bem das pessoas e dos governantes e não ajudar a eleger um bom candidato ao invés de um ruim (ou um menos ruim no lugar de um pior) não salvará a cidade.

Pense nisso.

Deus não tem que restaurar seu casamento

He is leaving

“Porque, de onde sabes, ó mulher, se salvarás teu marido? ou, de onde sabes, ó marido, se salvarás tua mulher?”  (I Coríntios 7 : 16)

Um dos temas mais populares desse blog é divórcio e recasamento.Muita gente acha divórcio inaceitável, alegando que quem se divorcia não confia que Deus tenha poder de restaurar o casamento ruim.

Ora, eu acredito que o divórcio (seguido, na maioria das vezes, de outro casamento) seja necessário em muitos casos e acredito também que Deus poderia restaurar qualquer casamento, caso fosse essa sua vontade.

Mas não é.

Não que não fosse a vontade de Deus que todo homem e toda mulher se casassem apenas uma vez e fossem felizes.Ele apenas não força ninguém a isso.

Deus nos dá muitas coisas, entre elas a liberdade.E não dá para nos deixar livres e ao mesmo tempo impor sua Vontade em todo casamento.

Deus pode trabalhar na vida dos envolvidos para que ambos cheguem a conclusão de que devem buscar a cura do relacionamento mas para isso há um limite, que Deus não ultrapassará.

A Bíblia apresenta vários passagens que nos mostram que Deus não restaura todo casamento ruim:

“Eu, porém, vos digo que qualquer que repudiar sua mulher, a não ser por causa de prostituição, faz que ela cometa adultério, e qualquer que casar com a repudiada comete adultério.”  (Mateus 5 : 32)

“Mas, se o descrente se apartar, aparte-se; porque neste caso o irmão, ou irmã, não esta sujeito à servidão; mas Deus chamou-nos para a paz.”  (I Coríntios 7 : 15)

Jesus diz que em caso de infidelidade (ou seja qual for a outra tradução melhor para o termo) a pessoa não adulterava se se separasse e casasse de novo.Se Deus realmente estivesse interessado em restaurar todo casamento, porque é que Ele diria isso?Não deveria ele dizer que, mesmo em caso de infidelidade, os dois deveriam ficar juntos à espera da restauração?

Paulo diz que se uma irmã casada com alguém descrente, caso este não a queira mais devido à sua fé, está livre do casamento.Não deveria ele dizer que a irmã deveria permanecer em oração até Deus restaurar seu casamento, salvar seu marido e etc?

Não!A Bíblia não dá essas respostas fantasiosas e ilusórias.
Se você está num casamento ruim, deve se esforçar para salvá-lo e pode pedir ajuda a Deus nisso, mas não deve achar que Deus tem de fazer isso (mesmo que você tenha muita fé).

Casamentos são restaurados muitas vezes, mas nem todas.

Creative Commons License photo credit: h.koppdelaney