Curas, pregações e milagres não provam que um ministério é de Deus

lfy - framed 

Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores. Por seus frutos os conhecereis. 

Porventura colhem-se uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos?

 Assim, toda a árvore boa produz bons frutos, e toda a árvore má produz frutos maus.

 Não pode a árvore boa dar maus frutos; nem a árvore má dar frutos bons.

 Toda a árvore que não dá bom fruto corta-se e lança-se no fogo.

 Portanto, pelos seus frutos os conhecereis.

 Nem todo o que me diz:

 Senhor, Senhor!

 entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.

 Muitos me dirão naquele dia:

 Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas?

 E então lhes direi abertamente:

 Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade.(Mateus 7:15-23)

 Valdemiro Santiago,Silas Malafaia,Edir Macedo e outros tem declarado que a prova de que seus ministérios sejam de Deus são os milagres e obras que neles acontecem, pois, supostamente, esses não ocorreriam se Deus não os aprovasse.

 Partindo desse pressuposto eles fazem o que querem de certo ou errado e são aplaudidos pelos que acreditam em suas falácias, pois, pensam os enganados,se Deus continua operando os milagres através desses homens é porque deve os aprovar em tudo o que fazem ou então não deve se importar com seus erros.

 No entanto, a passagem citada acima demonstra que milagres podem acontecer em qualquer ambiente, mesmo se aquele que dirige a reunião é alguém que Deus não reconhece.

 Deus não deixa de agir porque há um enganador usando de má fé com as pessoas, por isso é possível sim que Deus realize milagres mesmo num ministério que ele não aprove.

 Um verdadeiro homem de Deus se reconhece não pelos sinais e milagres mas pelos frutos; e frutos só se conhecem com o tempo não num único evento ou em performances.

 E não se engane: sinais, milagres, exorcismos e mesmo a pregação não são frutos “Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança.” (Gálatas 5 : 22) “(Porque o fruto do Espírito está em toda a bondade, e justiça e verdade);” (Efésios 5 : 9)

Sobre o desabafo de Edir Macedo

Bo to Polska, nie elegancja Francja...

Creative Commons License photo credit: MichalFotos

“Tudo isto vi nos dias da minha vaidade: há justo que perece na sua justiça, e há ímpio que prolonga os seus dias na sua maldade.”  (Eclesiastes 7 : 15)

Domingo  Edir Macedo publicou um desabafo no seu blog no qual insinua que quem o critica o faz por inveja, já que ele é mais bem sucedido do que os críticos.

Além disso, ele dá a entender que o fato dele ser tão “abençoado” já é prova de que ele é honesto e que Deus o aprova como está.

Esse argumento do Edir não é novo, Silas Malafaia já o utilizou, com algumas variantes, contra Caio Fábio e outros que o criticaram e esse é um dos argumentos mais utilizados pelos defensores deles e por outros pastores a fim de relativizar qualquer crítico que se oponha a eles.

O problema é que tal argumento não tem base bíblica, na Bíblia nem sempre o justo se dá bem e o ímpio se dá mal como eu já disse  no post Jó mereceu sua tragédia? e  o Tom Fernandes no post Negando a Páscoa (onde ele também comenta o desabafo do Edir).

…se a santidade deles é tão acentuada assim, por que não são tão abençoados por Deus como gostariam? Seria Deus injusto para com eles?Que Deus é Esse que abençoa um “bandido” e amaldiçoa os certinhos?(trecho do desabafo do Edir)

Se fossemos seguir a lógica do Edir, Paulo não poderia ter criticado Pedro (pois Paulo não era atendido quando pedia para que seu espinho da carne fosse retirado) Jesus não seria santo, pois Ele teve uma oração  não respondida e o mendigo Lázaro nunca teria ido morar no seio de Abraão, pois nem sua fome conseguia saciar, tendo de se contentar com as migalhas de um rico.

Ou então Deus seria mesmo um baita injusto, que só foi justo mesmo com ele (Edir). 😀

Só me resta achar que Edir continua achando que seus seguidores gostam de fezes e por isso usa fezes para os pescar .

 

É errado criticar pastores?


Davi poupa a Saul

“O SENHOR me guarde, de que eu estenda a mão contra o ungido do SENHOR; agora, porém, toma a lança que está à sua cabeceira e a bilha de água, e vamo-nos.”  (I Samuel 26 : 11)


Sexta feira fui com um amigo fazer uma visita a um irmão e na nossa conversa, ao comentarmos sobre alguns erros que alguns pastores praticam, ele disse que não ia tocar nesse assunto porque “não podia tocar o ungido”.

É impressionante como algumas pessoas são manipuladas por lideres que usam a velha artimanha de dizer que Davi não tocou Saul e então o crente não pode nem mesmo criticar pastor algum, pois esse pastor supostamente é “ungido”, sem nem entender que “tocar” não tem nada  a ver com denunciar ou criticar.

Tocar Saul, para Davi, era algo físico como matar ou pelo menos agredir.

Davi não “tocou” Saul, mas mesmo assim agiu pelas suas costas, desobedeceu-o, formou um grupo próprio e denunciou a injustiça de Saul na frente do seu exercito.

Davi não usou de violência contra Saul, mas nem por isso aceitou tudo o que Saul lhe queria fazer de mal e nem guardou para si a injustiça para manter a imagem de Saul intacta.

De modo que denunciar, repreender ou trabalhar contra um pastor ruim não é errado, antes é um dever, quando esse pastor pratica o mal contra as ovelhas que estão sobre suas mãos.                        

Paulo repreendeu a Pedro na presença de todos num momento em que ele agiu de maneira errada e ainda publicou isso numa de suas cartas:

“Mas, quando vi que não andavam bem e direitamente conforme a verdade do evangelho, disse a Pedro na presença de todos: Se tu, sendo judeu, vives como os gentios, e não como judeu, por que obrigas os gentios a viverem como judeus?”  (Gálatas 2 : 14)


Que deixemos de ser omissos e denunciemos aquilo que for preciso denunciar, sem medo de tais maldições.