Sexo dos anjos – Mulheres com asas


De novo ergui os olhos e vi chegarem à minha frente duas mulheres com asas como de cegonha; o vento impeliu suas asas, e elas ergueram o cesto entre o céu e a terra.
Zacarias 5:9

Eu já li e reli a Bíblia várias vezes, mas admito que quando escrevi o post sobre a prática de sexo por anjos, não me lembrava desse.

Parecia que a possibilidade de existirem anjos do sexo feminino era um total mistério.

Esse verso, porém, nos dá uma esperança maior.

O interessante é que, embora a visão das mulheres com asas esteja dentro de uma visão com vários elementos simbólicos, não se diz que as mulheres em si sejam algum tipo de símbolo, mas somente o cesto.

Há no livro de Apocalipse um outro exemplo de mulher com asas, embora fique claro que se quer simbolizar algo:

Foram dadas à mulher as duas asas da grande águia, para que ela pudesse voar para o lugar que lhe havia sido preparado no deserto, onde seria sustentada durante um tempo, tempos e meio tempo, fora do alcance da serpente.
Apocalipse 12:14

Embora seres que apareçam em visões simbólicas não tenham de existir literalmente, há sempre a possibilidade de que o símbolo se baseie em algo real.

Talvez tanto homens quanto anjos precisem ter “ajudadoras”.Não me lembro de verso algum que contrarie isso.

Talvez um dia um anjo tenha dito: ”Essa é espírito de meu espírito!”.

Talvez ser como anjos na ressurreição não seja tão frustrante para os românticos, afinal.

E você?Como interpreta tais mulheres de asas?Comente.

photo by: K.Hurley

Casamento no Céu?

Jesus respondeu: “Os filhos desta era casam-se e são dados em casamento, mas os que forem considerados dignos de tomar parte na era que há de vir e na ressurreição dos mortos não se casarão nem serão dados em casamento, e não podem mais morrer, pois são como os anjos. São filhos de Deus, visto que são filhos da ressurreição.

Lucas 20:34-36

Admito que esse trecho da Bíblia e outros semelhantes, nos outros evangelhos, são uns dos que considerava mais tristes até alguns dias atrás.É doloroso para alguém que gosta de romantismo imaginar que após a morte não poderá continuar amando da mesma forma a pessoa que ama agora ou que, no meu caso, se não conseguir se relacionar com ninguém aqui na Terra, terá de continuar assim na eternidade.

Recentemente, porém, com a ajuda de um irmão, comecei a ver essa passagem de forma diferente.Repare no que foi perguntado a Jesus antes dessa resposta:

“Mestre”, disseram eles, “Moisés nos deixou escrito que, se o irmão de um homem morrer e deixar mulher sem filhos, este deverá casar-se com a viúva e ter filhos para seu irmão.

Havia sete irmãos. O primeiro casou-se e morreu sem deixar filhos.

O segundo e o terceiro e depois também os outros casaram-se com ela; e morreram os sete sucessivamente, sem deixar filhos.

Finalmente morreu também a mulher.

Na ressurreição, de quem ela será esposa, visto que os sete foram casados com ela? “
Lucas 20:28-33

É óbvio que os saduceus não queriam realmente saber sobre relacionamentos na eternidade, visto que eles nem criam na ressurreição, mas apenas tentar pressionar Jesus sobre o cumprimento de uma lei que parecia impossível de cumprir, caso houvesse ressurreição.

Eles não perguntaram sobre amor, não perguntaram sobre a felicidade da mulher, mas apenas sobre o direito de tê-la como mulher.Se essa história foi verdadeira, pode ser que a mulher só tenha amado a um dos sete irmãos, ou talvez a nenhum!

Diante disso, a resposta de Jesus é libertadora:Lá será diferente!Lá uma pessoa não será obrigada a se unir a outra seja por qual motivo for!

A lei mencionada pelos saduceus, chamada de Levirato, foi criada porque, como não se cria ainda na ressurreição, pensava-se que a continuação de um homem seriam seus filhos e se um homem morria sem filhos, deveria haver uma continuação para ele, ainda que fosse por intermédio de um de seus irmãos.Até essa necessidade Jesus elimina, ao dizer que os ressuscitados “não morrerão”.

Eu acredito que as palavras de Jesus foram apenas para responder ao saduceus e para deixar claro que os ressuscitados somente se unirão a alguém se assim o quiserem, para o seu bem, livres de todas e quaisquer pressões e necessidades que hoje temos na Terra e as vezes fazem com que a gente se una a alguém sem amor.

No princípio, Deus não disse que o homem devia “casar” mas apenas “se unir”.

Por essa razão, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher, e eles se tornarão uma só carne.
Gênesis 2:24

E, para quem acha que esse tipo de relacionamento seria desnecessário no Céu, lembrem-se que Adão tinha a companhia de Deus quando Deus disse:

“Não é bom que o homem esteja só; farei para ele alguém que o auxilie e lhe corresponda”
Gênesis 2:18

Se antes era importante para o homem ter alguém além de Deus (e nessa passagem não se fala de filhos) porque é que no Céu será desnecessário?

Pense nisso.

O Céu não tem que ser chato

A muralha era feita de jaspe e a cidade de ouro puro, semelhante ao vidro puro.
Os fundamentos das muros da cidade eram ornamentados com toda sorte de pedras preciosas. O primeiro fundamento era ornamentado com jaspe; o segundo com safira; o terceiro com calcedônia; o quarto com esmeralda;

o quinto com sardônio; o sexto com sárdio; o sétimo com crisólito; o oitavo com berilo; o nono com topázio; o décimo com crisópraso; o décimo primeiro com jacinto; e o décimo segundo com ametista.

As doze portas eram doze pérolas, cada porta feita de uma única pérola. A rua principal da cidade era de ouro puro, como vidro transparente.

Apocalipse 21:18-21

E Deus viu tudo o que havia feito, e tudo havia ficado muito bom.
Gênesis 1:31

Eu nunca tive facilidade para aceitar que o Céu fosse como me diziam que era.

A primeira imagem do Céu que tive e que a maioria das pessoas conhece era a imagem de um lugar branco, cheio de nuvens, com músicas suaves (de preferência tocadas com instrumentos de corda) e sem muita coisa para fazer, senão orar, conversar e cantar.

A segunda imagem (que foi a que me passaram em igrejas evangélicas e que eu tive, também, sozinho ao ler Apocalipse literalmente) era de um lugar todo feito de pedras preciosas onde provavelmente eu teria de cantar o tempo todo e achar isso legal.

A primeira descrição do céu é a que permite que hajam tantas brincadeiras dizendo que o inferno será um lugar mais agradável para ficar, pois todos os prazeres (bons ou ruins) que seriam cortados no céu estariam a disposição no inferno.

Essas três imagens são falsas (estou incluindo a do inferno).São baseadas em interpretações equivocadas que levam a sério interpretações literais de certas passagens bíblicas simbólicas, moral e tradição.

Não é possível que, Deus tendo criado um mundo como o nosso, com todas as belezas que tem, animais e tudo o mais vá achar legal nos recompensar com um Céu inferior à Terra.

O Céu tem que ter no mínimo as cores que aqui temos, as belezas, as formas de vida e tudo o que é bom aos nossos sentidos e aos dEle também.

Deus não tem nenhum interesse especial em pedras preciosas.Ele apenas descreve a Nova Jerusalém mencionando pedras para demonstrar o valor imenso que ela terá.

Ele usou essa linguagem porque é a que muitos de nós entenderíamos devido à nossas limitações.

Deus não pensa como a gente, mas fala de acordo com o que podemos entender.

Se não for assim, então o Milênio acaba sendo mais interessante do que a vida eterna;é por isso que a maioria dos “testemunhas de Jeová” preferem ficar na Terra do que ir “governar no Céu”.

Ou como diria Caio Fábio de Araújo filho: ”o Céu dos crentes é um inferno”

 

Obs: Por incrível que pareça, a primeira imagem menos chata do Céu que tive foi numa revista da Escola Bíblica Dominical da Assembléia de Deus para “juvenis”.

E você?Como imagina o Céu?

 

photo by: visualpanic