Mais feliz que Deus – Resenha

Capa do livro mais feliz que Deus

Capa do livro mais feliz que Deus

A Editora Agir me deu um exemplar do livro Mais Feliz que Deus de Neale Donald Walsch e me pediu para dizer o que eu achava dele.

De início estranhei o título(creio que qualquer um estranharia) mas pensei que fosse apenas algo para chamar a atenção ou algum pensamento verdadeiro que seria bem explicado no decorrer do livro.

Me enganei, pois realmente o livro é estranho.

Quando digo estranho estou falando do ponto de vista do Evangelho, pois para quem se tornou adepto da lei da atração ou da confissão positiva pode ser que pareça normal.

O livro é de fácil leitura e tem boas dicas (que podem ser encontradas em vários outros livros melhores) mas a maioria do que ensina é ruim.

O livro fala da lei da atração com o diferencial de que o termo “Deus” aparece sempre(dando, de início, a impressão de que é uma abordagem mais cristã).

No entanto o Deus de quem Neale Donald Walsch fala não é uma pessoa mas uma energia, um poder que está em nós e por nós pode ser manipulado (não faz nada por si só).

Quando esse Deus fala com o homem é o homem falando de si para si.

Neale até cita alguns versos bíblicos isolados, mas seu ensinamento (pelo menos nesse livro) contradiz o Evangelho como um todo.

Não recomendo.

Se quiser conhecer um pouco do autor e ler um capítulo do livro, acesse: www.maisfelizquedeus.com.br

(Visited 26 times, 1 visits today)
Tags , , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Sobre Roberto Donizeti Soares

Moro em Catiguá, interior de São Paulo. Sou psicólogo formado pelo Instituto de Ensino Superior de Catanduva (IMES Catanduva, antiga FAFICA) e trabalho em Catanduva, na Superintendência de Água e Esgoto de Catanduva. Li a Bíblia algumas vezes e continuo relendo e buscando um maior entendimento. Simpatizo com o movimento Caminho da Graça do pastor Caio Fábio de Araújo Filho. Gosto de teologia, sociologia, psicologia, antropologia, política, livros, filmes, música, gibis, jogos e brinquedos, entre outras coisas.

16 respostas para Mais feliz que Deus – Resenha

  1. Kennedy Lucas diz:
    Sinceridade é tudo!

    ps: Publieditorial Fail? lol rsrsr
    .-= Meu último post blog : Outubro: Mês das crianças e… Halloween?! =-.

    • Eu acho que mesmo a resenha sendo negativa isso pode beneficiar o livro, diminuindo o número de pessoas decepcionadas com ele após o comprar.
      Haverá aqueles que acharão o livro maravilhoso e acredito que essas não se importarão com o a minha opinião de cristão, talvez minha análise até os influencie a querer comprar. 😀
  2. hoje me dia, há uma quantidade enorme de porcarias, livros que são uma merda! Mas, livros bons mesmo, é preciso ter um senso aguçado pra detectar. Se os autores já forem consagrados, aí a coisa fica fácil, mas se não… é saber mesmo peneirar e filtrar o que é bom! “examinai tudo, retendes o que é bom” já dia Paulo. Beleza a tua analise critica do livro!
    abraços
  3. timoteo diz:
    talvez vc seja cristão, mas este livro não afeta apenas cristãos, vai contra todas as religiões, porém a metafísica responde porque os milagres acontecem em todas as religiões, não apenas no cristianismo. Sim porque se você for num centro espirita, ocorrem milagres, no hinduísmo, ocorrem milagres, nas religiões afro também. Todas as religiões operam milagres, por que? simplesmente porque as pessoas acreditam que serão curadas pelo Deus que lhes foi apresentado. Então se as religiões possuem doutrinas diferentes e contraditórias, porque em todas o sobrenatural se maifesta? Por causa da fé, as pessoas manipulam as situações com suas mentes, mas passam a gloria para um Deus ilusório, no fundo nós é que somos a fonte de todos os acontecimentos.
    • Milagres podem ocorrer tanto através da manifestação amorosa de Deus(que ama a todos, apesar do engano em que a maioria das pessoas vive) ou através do diabo, a fim de enganar.

      Também não nego que a mente possa ter algum poder, embora eu não tenha idéia do tamanho deste (só sei que Deus pode impedi-lo quando quiser e o fará sempre que achar que deve).

  4. Timótheo diz:
    Você realmente acha que, o hinduísmo, que é muito mais velho que o judaísmo e que o cristianismo, era usado pelo diabo? Os índios, que não possuiram influência cristã nenhuma, irão para o inferno? Vai me dizer que Deus se manifestou só depois de o judaísmo aparecer, e por sequência no cristianismo?
    Meu querido não são apenas milagres que acontecem em todas as religiões. Todas as religiões possuem um profeta que recebeu revelações divinas, operou milagres, etc. Para um budista, Buda veio de uma flor-de-lótus, para os mulçumanos Alá é realmente Deus, para a Seicho-no-ie, Masaharu taniguchi era divino.
    Não há como provar que uma religião é verdadeira, se você usar a Bíblia, um seicho-no-ie irá usar o seimei-no-jisso, e assim vai indo, cada um tem sua inspiração divina, e pensa que as outras são diabólicas, mas a sua é divina. Para você a Bíblia é verdadeira,tudo o que foge dela é errado, para ir ao céu só pela bíblia,ok? agora para xintoísta não é assim, para ele você está errado, e para você ele está errado; afinal, a verdade não é uma história que todos aceitam como verdadeira?
    Eu sei que a metafísica desmente todas as religiões, e prova que revelações divinas, milagres, benefícios, etc., são fruto do trabalho do subconsciente, a mente que permeia todas as coisas, onipotente e onisciente.
    Sei que é difícil de aceitar, pois eu tinha as mesmeas idéas que você, mas estudei, conheci a verdade e me libertei.
    • Você não me entendeu.

      Eu disse que os milagres podem ter várias origens, não disse que milagres que ocorram fora do ambiente denominado cristão sejam todos do diabo.

      Podem haver milagres de Deus em qualquer ambiente assim como também do diabo.

      Para se adorar ao verdadeiro Deus não é necessário conhecer a Bíblia e nem as histórias contidas nela, embora quem tenha a Bíblia seja privilegiado por ter mais informação.

      Não prego religião e concordo que seja impossível “provar”(de modo que agrade a todos) que alguma seja verdadeira.

      Quanto às suas perguntas relativas a minha fé:

      Para mim a Bíblia é verdadeira enquanto não contradiz os ensinos de Jesus em palavras e obras.

      Para mim a pessoa só é salva pelo sacrifício de Cristo, ainda que ela não tenha consciência de que ele tenha acontecido.

      Quanto a metafísica, não creio que nem ela prove o que você diz que ela prova, ela apenas oferece uma resposta mais confortável para uma pessoa confusa.

      Obrigado pela visita e pelos comentários.

      Abraço.

  5. timoteo diz:
    As pessoas julgam erroneamente o que não conhecem.
  6. Timótheo diz:
    Inclusive eu lhe julguei erroneamente. eu pensei que você era um chato e insuportável, apenas por ter condenado um livro que acho interessante! acho que você não possui nem um pouco de razão, mas eu fui de certo modo estúpido com você, sinto muito…
    muito mesmo, detesto ter que admitir meu erro mas sou obrigado, li alguns posts seus e descobri que você não é bem o que pensei, perdoe-me por favor
    vou deixar mensagens no “fale comigo” por favor responda pro e-mail que está lá.
  7. Carlos diz:
    Caro Roberto,

    Sua opinião é válida.
    A minha opinião é de que é um excelente livro, escrito pelas mãos do autor (de verdade). Não é uma compilação escrita por sabe-se lá quem… (vide a Bíblia. Afinal, não sabemos quem a escreveu).
    Se o livro de Walsch não for a verdade, pelo menos é UMA verdade, não um “monte” de verdades, ditas por várias pessoas, em épocas diferentes e, “Deus sabe” quais as intenções.

    Abraços fraternos.

  8. Sergio diz:
    Não li o livro mas só o autor dizer que deus é uma energia e não uma ”pessoa” já gostei. Agora entendo porque vc não recomenda o livro. Vc deve ser algum católico ortodoxo. Gosta de ser doutrinado. Mas vc ta certo. É como a maioria que ainda precisa de um deus pra dizer por onde ir e pra resolver os problemas da vida.
    • Não, não sou católico ortodoxo e sim, preciso de Deus para me orientar e ajudar na vida.Não é questão de gostar ou não de ser doutrinado e sim de reconhecer que há essa necessidade.Até o livro tenta doutrinar, embora fale de nós como sendo totalmente autosuficientes.
  9. Moreira jr diz:
    Mto bom o livro! Recomendo.. Se somos filhos de Deus: somos deuses
  10. thai diz:
    Já leu o primeiro livro dele, “Conversando com Deus”? Sempre tive curiosidade de saber a opinião de um cristão sobre esse e “As cartas de Cristo”.
    • Li o livro 2. Tem umas ideias parecidas com o “mais feliz que Deus”, mas me parece um livro mais agradável. Parece que o Neale estudou muitas religiões e aí juntou as várias ideias que achava interessantes e as usou para responder questões humanas e chamou isso de conversas com Deus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mostrar um dos meus últimos posts