Comparar Jesus com outras pessoas é errado?


De tempos em tempos pessoas são comparadas com Jesus ou certa circunstância da atualidade é comparada com circunstâncias de histórias bíblicas.

Para algumas pessoas, desde que a comparação faça algum sentido, não há problemas em fazer essas comparações, mas para outros parece que comparar qualquer coisa a algo sequer próximo de Jesus seria um erro, pois tudo estaria muito distante dEle.

É preciso avaliar que tipo de comparação está sendo feita, antes de julgar se ela é válida ou não. Nem toda a comparação que envolva o nome Jesus é errada, ainda que Ele seja um homem incomparável. Como isso é possível? Vejamos:

Não há homem como Jesus

E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade.

A Bíblia descreve Jesus não apenas como um mestre, um pacifista ou profeta, mas também como o único homem sem pecado, a Palavra de Deus encarnada e o próprio Deus feito homem (entre outras descrições). Logo uma comparação total entre uma pessoa e Jesus seria uma heresia, porém uma comparação parcial seria possível, pois Jesus também era homem e portanto tinha características humanas que são comuns a qualquer um de nós.

Vivemos na mesma terra

Também o tempo e as características sociais do tempo de Jesus não são necessariamente sagradas e nem totalmente distantes da nossa realidade. Segundo o autor de Eclesiastes, “não há nada novo debaixo do sol”, o que significa que há uma certa tendência na história a que coisas se repitam, ainda que com algumas diferenças de cada época. Os pecados denunciados na Bíblia há milênios ainda existem hoje na sua grande maioria (esse é um dos motivos da Bíblia ainda fazer sentido para nós hoje). Logo mencionar um episódio bíblico e compará-lo parcialmente a um acontecimento atual é totalmente possível também.

O que foi, isso é o que há de ser; e o que se fez, isso se fará; de modo que nada há de novo debaixo do sol.

O próprio Jesus fez comparações de coisas que não eram exatamente iguais

E com muitas parábolas tais lhes dirigia a palavra, segundo o que podiam compreender.

As famosas parábolas de Jesus era um recurso didático que Ele utilizava para ensinar conceitos complexos através de uma linguagem mais acessível. Elas consistiam em comparar algo do dia a dia dos ouvintes com alguma outras coisa que eles não conheciam. Jesus comparou o Reino de Deus com diversas coisas que não eram exatamente como o Reino, mas tinham aspectos em comum com ele.

Conclusão

Outra parábola lhes propôs, dizendo: O reino dos céus é semelhante ao grão de mostarda que o homem, pegando nele, semeou no seu campo;

Quem ousaria dizer que o Reino de Deus e a semente da mostarda são exatamente a mesma coisa? Ou mesmo quase iguais? No entanto, Jesus comparou uma coisa a outra. Será que Ele não conhecia a semente da mostarda o suficiente? Será que não conhecia o Reino? Será que estava exagerando só para chamar a atenção?Acredito que não. Se dá para comparar o Reino de Deus a uma semente, dá para comparar Jesus a homens de hoje . Desde que tudo seja feito com moderação.

(Visited 152 times, 1 visits today)
Tags , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Sobre Roberto Donizeti Soares

Moro em Catiguá, interior de São Paulo. Sou psicólogo formado pelo Instituto de Ensino Superior de Catanduva (IMES Catanduva, antiga FAFICA) e trabalho em Catanduva, na Superintendência de Água e Esgoto de Catanduva. Li a Bíblia algumas vezes e continuo relendo e buscando um maior entendimento. Simpatizo com o movimento Caminho da Graça do pastor Caio Fábio de Araújo Filho. Gosto de teologia, sociologia, psicologia, antropologia, política, livros, filmes, música, gibis, jogos e brinquedos, entre outras coisas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mostrar um dos meus últimos posts

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.