Sobre a paralisação dos caminhoneiros

Caminhão amarelo

Muito se tem falado sobre a paralisação dos caminhoneiros, tanto da parte dos que são a favor como da parte dos que são contra.

Não é simples estabelecer um consenso, embora a multidão dos que se manifestam a favor da paralisação reúna pessoas que normalmente costumam ficar em lados opostos, dando a impressão, muitas vezes, que a “maioria” está a favor.

Razões para parar existem

É inegável que os combustíveis estão caros e que parte desse problema tem a ver com a carga tributária brasileira que é muito alta.

Também é verdade que o caminhoneiro tem, muitas vezes, péssimas condições de trabalho, tanto sendo autônomo quanto sendo funcionário de uma empresa.

Sei disso porque tenho algumas pessoas na família e conhecidos que trabalham ou já trabalharam na área.

Questões importantes

Será que esses problemas justificam a paralisação atual e suas consequências? Será que a paralisação está sendo feita de maneira correta?

Será que quem está por trás da paralisação são funcionários ou patrões?

Seria greve ou locaute (quando a paralisação é organizada por patrões, o que é ilegal)?

Você é a favor ou contra?

Essa reflexão deve ser feita antes de decidir ser a favor ou contra o movimento. Claro que é natural que à primeira vista já nos sintamos contra ou a favor de um movimento e mais tarde, com melhor conhecimento das informações relacionadas, possamos mudar de opinião. Isso é totalmente natural. Não é vergonha mudar de opinião após buscar informação. Isso tem a ver com evolução e humildade. Somente o orgulhoso acha inaceitável mudar de discurso ou a opinião, pois isso demonstraria que em algum momento ele errou.

Sou a favor de greves, mas não necessariamente dessa paralisação específica

Eu sou a favor de greves (e elas são um direito) e por isso quando ouvi falar que havia uma greve de caminhoneiros, automaticamente me senti a favor. Mais tarde soube que alguns caminhoneiros estavam sendo forçados a participar, o que já não achei tão legal, já que acredito que uma boa greve é uma greve em que os trabalhadores participam voluntariamente, não obrigados.

Essa pressão para que participassem todos os caminhoneiros, querendo ou não, deu maior força ao movimento e causou mais problemas para a sociedade, ajudando a pressionar mais para que suas reivindicações fossem atendidas, mas não é justificável. A liberdade de ir e vir ficou prejudicada.

É claro que o argumento da “liberdade de ir e vir” nem sempre é aceitável

Há quem provavelmente poderia dizer que uma greve de motoristas de ônibus seria uma afronta ao princípio, do que eu discordaria, pois embora a pessoa tenha direito de ir e vir, não há obrigação de um motorista de levar alguém mesmo sem ter os seus direitos trabalhistas respeitados.

Da mesma forma, não creio que se todos os motoristas de caminhões que levam combustível resolvessem, voluntariamente, parar eles estariam desrespeitando o “ir e vir”. Mas bloquear estradas impedindo que qualquer veículo passe, é sim uma violação de direitos. Não há falha do Estado  nem preço de combustível que justifique isso.

Essa luta compensa?

Pressionar o governo para que somente retire ou reduza impostos dos combustíveis não é necessariamente vantajoso para os caminhoneiros ou para o país, pois estes impostos fazem parte do orçamento do país para realizar seus serviços.

Se o governo abrir mão de todos os impostos, terá que fazer cortes em diversas áreas (como na saúde, educação e até transportes) ou cobrar os impostos perdidos de outras formas.

Talvez para os caminhoneiros (e seus patrões) a situação fosse parecer melhorar, mas o resto da sociedade pagaria por isso (a mesma sociedade que está sofrendo os prejuízos da paralisação e que em grande parte os apoia, achando que essa paralisação beneficiará a todos).

Da mesma forma, se a Petrobras abaixar por sua própria conta os preços, poderá sofrer prejuízos que também recairão sobre o país todo (inclusive os caminhoneiros).

É uma situação complicada, sem dúvida, mas creio que os caminhoneiros deveriam aceitar o acordo que foi oferecido pelo governo e encerrar essa paralisação para o bem de todos.

Para mais informações, acesse:

Quem são e o que querem os caminhoneiros que estão parando o país

O que é locaute? Entenda o termo usado pelo ministro da Segurança, Raul Jungmann

Eu voltei a editar este blog com mais frequência

Resultado de imagem para he´s back

Quando penso na ideia de estar de volta, é comum lembrar dessa manchete do Clarim Diário anunciando que o Homem Aranha estava de volta no filme de 2004.

Tudo estava igual como era antes

Quase nada se modificou

Acho que só eu mesmo mudei

E voltei

Eu voltei agora pra ficar

Porque aqui, aqui é meu lugar

Eu voltei pras coisas que eu deixei

Eu voltei

(Trecho da canção “O portão” de Roberto Carlos)

Estou concluindo meu curso de psicologia que tem a duração de 5 anos. Por isso tenho postado tão pouco nos últimos anos e ainda não tinha postado nada neste ano. Agora que o meu curso está quase no fim, eu posso retornar a fazer coisas que me dão prazer e demandam um pouco mais de tempo. Um de meus planos que se fortaleceu durante o tempo em que estive estudando psicologia era escrever com mais frequência assim que estivesse livre do curso. Escrever sobre tudo o que eu achasse relevante fazer algum comentário. Quero escrever sobre fé, psicologia, política, filmes, histórias em quadrinhos, utilidade pública e o que mais eu achar que tenha algo interessante para dizer.

 

Ainda tenho minha fé, contrariando os que pensam que a faculdade transforme todo crente em ateu.  Além do blog, também penso em criar um canal no Youtube para postar vídeos sobre os assuntos que eu escrever e assim alcançar um outro público que não é tão ligado em leituras. Acredito que muitas pessoas estão sendo enganadas e é importante que alguém tente esclarecê-las. Eu pretendo fazer isso. Pretendo falar de coisas que não são muito faladas, mas também de coisas que já são faladas, mas de forma mais simplificada, ou tentando interligar ideias que normalmente são entendidas como não tendo “nada a ver” com outras. Espero conseguir. Até mais.

Amor aos animais

IMG-20151010-WA0002O amor aos animais é algo belo desde que não coexista com o ódio pelos seres humanos.

Há gente que ama os animais e ama mais aos seres humanos, porque entende que os homens estão acima dos animais. Outros amam a ambos porque creem que todos são animais e há os que amam, com poucas exceções, apenas os animais (ou os animais chamados de “inferiores”) porque estes supostamente são puros, enquanto o ser humano é maldoso e cruel.

Do ponto de vista bíblico o homem é descrito como superior aos animais, chegando ao ponto de ter permissão divina de usá-los para sua sobrevivência:

E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: […] dominai sobre os peixes do mar e sobre as aves dos céus, e sobre todo o animal que se move sobre a terra. Gênesis 1:28

Tudo quanto se move, que é vivente, será para vosso mantimento; […] Gênesis 9:3

Isso não quer dizer que o homem possa fazer o que bem entende com os animais mas dá ao homem o direito de fazer com animais o que não tem direito de fazer com outros seres humanos caso haja necessidade. O valor do ser humano não está ligado ao que faz de bom ou ruim mas é um valor estabelecido no momento da Criação.

Além do mais, não sabemos tudo sobre os animais a ponto de poder dizer que eles sejam melhores por não praticar o mal. Há quem pense que eles não tem nada além de instintos, o que não permitiria que fizessem o mal, mesmo que praticando uma ação vista como má, pois não fariam movidos por maldade mas apenas por instintos, não podendo ser julgados por isso. Nesse caso, não haveria superioridade animal, pois os animais não poderiam praticar nem o bem e nem o mal, sendo apenas seres neutros.

Se há sentimentos e escolhas não apenas instintuais nos animais então não temos como saber se os animais são puros ou não, pois, segundo Jesus, a maldade acontece no coração mesmo que não se manifeste em ações. Certas ações incômodas deles como latir, arranhar e morder poderiam até mesmo ser atos maldosos e não apenas reações instintivas.

Independentemente de crermos ou não na inocência dos animais e malignidade dos seres humanos o mandamento de Cristo é que amemos aos seres humanos, mesmo os inimigos:

Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus; Mateus 5:44

Não há no evangelho elogio ao amor dedicado apenas a quem nos ama ou nos trata bem; isso é considerado algo natural do ser humano. Não dá ser um verdadeiro amante de Deus amando apenas animais.

Ele nos deu este mandamento: Quem ama a Deus, ame também seu irmão.1 João 4:21